Bombeiros profissionais: "Não aceitamos atestados de incompetência" - VIDA DE BOMBEIRO

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quinta-feira, 3 de maio de 2018

Bombeiros profissionais: "Não aceitamos atestados de incompetência"


Presença em Portugal de peritos da União Europeia em prevenção e combate a incêndios não agrada ao presidente da Associação dos Bombeiros Profissionais.

A vinda a Portugal de peritos da União Europeia para aconselhamento das autoridades nacionais na prevenção e combate a incêndios está a causar mal-estar na Protecção Civil.

De acordo com o Diário de Noticias, os técnicos espanhóis chegaram na segunda-feira e vão permanecer por três semanas. A situação terá provocado tensão entre a recém-criada Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais - responsável pelo convite - e a Autoridade Nacional de Protecção Civil.

Em declarações à Renascença, o presidente da Associação de Bombeiros Profissionais, Fernando Curto, queixa-se de "atestados de incompetência".

"Deveria haver um debate alargado, desenvolvido no nosso país, internamente, destinado à prevenção e ao combate, e, depois, deste debate - ou em simultâneo, até - trazer técnicos a Portugal para debater a temática. A metodologia é que me parece um pouco altiva. Nos bombeiros profissionais, não aceitamos que nos passem atestados de incompetência, consecutivamente", queixa-se Fernando Curto.

O presidente da Associação de Bombeiros Profissionais diz que nada tem "contra a possibilidade da vinda de peritos de qualquer natureza e que nos emprestem a sua experiência" e lembra que isso foi feito "aquando da Expo 98 e do Euro 2004".

"A questão que se coloca é porque motivo a Unidade de Missão não ouve e não fala com a Associação de Bombeiros Profissionais. A unidade de Missão deveria ter ouvido primeiro os técnicos portugueses, as instituições portuguesas e recolher o maior número de informação no sentido de podermos contribuir", remata Fernando Curto.

Fonte: Renascença

Sem comentários:

Enviar um comentário