A Guerra do Fogo - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quinta-feira, 10 de maio de 2018

A Guerra do Fogo


Nota-se o esforço e determinação de Eduardo Cabrita em colocar no terreno os meios que permitam evitar a repetição da tragédia dos fogos. 

À pressão política e mediática, o ministro tem procurado responder, de imediato, à altura do desafio. Mas, mesmo considerando que não se pode resolver num ano aquilo que não se fez em cinquenta, o futuro é preocupante, tantos os obstáculos e cortinas de fumo que surgem diariamente no horizonte, à medida que se aproxima a guerra do fogo. 

Da demissão do comandante da Proteção Civil ao horário de funcionário público das Equipas de Intervenção Permanente, passando pela falta de equipamento e viaturas dos Grupos de Intervenção de Proteção e Socorro, fica a ideia de um País que continua impreparado para enfrentar o inferno à solta. E quando é o próprio Presidente da República a temer o pior – só assim se entende o aviso deixado a Costa –, então é mesmo de temer o pior. 

Regra geral, o poder comunica mal ou não comunica quando se trata de matéria incómoda. Mas, neste caso, impõe-se que Costa ou Cabrita digam o que se passa, de uma forma clara e objetiva e o mais breve possível. É sempre preferível o caminho das pedras ao caminho das trevas.

Paulo João Santos in Correio da manhã

Sem comentários:

Enviar um comentário