Chefe do Estado Maior do Exército não acredita na saída de militares para combater fogos - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quarta-feira, 7 de março de 2018

Chefe do Estado Maior do Exército não acredita na saída de militares para combater fogos


Notícia do Jornal de Notícias refere que cerca de 500 militares, contratados e voluntários, abandonaram o Exército no ano passado, mais de metade dos quais devido à sobrecarga horária exigida pelo combate aos fogos.

O chefe do Estado-Maior do Exército, general Rovisco Duarte, disse esta terça-feira que não se revê nas notícias que dão conta da saída de centenas de militares do Exército devido ao recrutamento para combate aos incêndios florestais.

Uma notícia divulgada pelo Jornal de Notícias refere que cerca de 500 militares, contratados e voluntários, abandonaram o Exército no ano passado, mais de metade dos quais devido à sobrecarga horária exigida pelo combate aos fogos.

"Não me revejo naquele tipo de notícia nem vejo isto como sendo o caráter do soldado", disse o general Rovisco Duarte, durante uma visita da Comissão de Defesa Nacional ao Regimento de Infantaria nº. 10, em São Jacinto, Aveiro.

Em resposta a uma pergunta do deputado do PS João Soares, o chefe de Estado-Maior do Exército disse ficar surpreendido com este tipo de notícias, vincando que "existe uma enorme generosidade dos militares" portugueses.

A mesma opinião foi partilhada pelo presidente da Comissão de Defesa Nacional, Marco António Costa, para quem a saída dos militares do Exército tem outras razões, relacionadas fundamentalmente com questões salariais.

"As Forças Armadas têm tido um papel de acompanhamento e de apoio à Proteção Civil em momentos críticos que eu julgo que não está na base da saída de nenhum militar. Não é isso que coloca em causa a manutenção ou não das pessoas nas forças armadas", adiantou o deputado do PSD.

Em declarações à Lusa, Marco António Costa disse que há "um problema de recrutamento" no Exército e que as forças de segurança "exercem um efeito atrativo muito grande" relativamente às Forças Armadas e aos seus efetivos.

O presidente da comissão revelou que este mês vão realizar uma conferência para refletir esta matéria e, até ao Verão, irão fazer outra conferência sobre o duplo uso das Forças Armadas.

Na quarta-feira, os deputados da Comissão de Defesa Nacional visitam a base aérea de Monte Real.

Renascença

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________