90% da fábrica de cordões e etiquetas de Felgueiras destruída pelo fogo - VIDA DE BOMBEIRO

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

90% da fábrica de cordões e etiquetas de Felgueiras destruída pelo fogo


Está em fase de rescaldo o incêndio que, na tarde desta terça-feira, deflagrou numa fábrica de componentes para a indústria do calçado e têxtil, situada na Varziela, Felgueiras. O fogo, combatido por 24 bombeiros, não provocou feridos, mas destruiu 90% da unidade fabril.

A fábrica da Sacor, que se dedica à produção de fitas, elásticos, cordões e etiquetas, era de construção recente e acolhia oito funcionários. Também estava coberta por seguro.

Rápida propagação das chamas em material inflamável

As chamas começaram pelas 13.30 horas, numa altura em que a laboração estava suspensa devido à pausa para almoço. E, apesar de alguns funcionários estarem no local, não foi possível evitar a rápida propagação do fogo.

Nem mesmo os 24 bombeiros das corporações de Felgueiras, Lixa e de Freamunde que, após o alerta, rapidamente se deslocaram para a Varziela, puderam evitar a destruição da fábrica de fitas, elásticos, cordões e etiquetas. "À nossa chegada, o armazém já estava quase todo tomado pelas chamas", refere Hugo Ribeiro. O 2º comandante dos Bombeiros de Felgueiras acrescenta que o fogo começou numa zona dedicada à produção, mas depressa alastrou aos restantes compartimentos da unidade fabril. "A principal dificuldade esteve relacionada com o material altamente inflamável que se encontrava armazenado na fábrica", explica.

A mesma razão levou a que as chamas fossem combatidas ao longo de toda a tarde e só depois das 18:00 o incêndio entrasse na fase de rescaldo.

A fábrica da Sacor fica localizada numa zona com habitações, mas, segundo Hugo Ribeiro, "as casas das redondezas nunca estiveram em perigo" devido à ação preventiva dos bombeiros.

Fonte: JN

Sem comentários:

Enviar um comentário