“Bombeiros Voluntários de Viseu Filhos de Mãe Incógnita” - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

“Bombeiros Voluntários de Viseu Filhos de Mãe Incógnita”


A Rua Direita recebeu de leitor identificado email com o título supra e o texto que segue.

A ser cabal verdade tudo o que nele é descrito, os BVV andam a ferro e fogo desde que o Comandante Luís Duarte foi afastado das suas funções, para ser substituído por José Luís Teixeira.

A Rua Direita já em tempo oportuno tinha noticiado esta situação.

Entretanto, da parte da direcção tem havido silêncio e, mesmo no que concerne ao novo Comandante, José Luís Teixeira, este parece não ter ecoante voz perante um funcionário de confiança política lá colocado, “um senhor Sargento“, de quem pouco se sabe. O que parece existir é muita e estranha “política“por detrás de tudo isto, bem visível quando nalgumas fotografias aparecem sistematicamente certas “individualidades“.

Está instalada uma “paz podre” por cima de uma vaga interna de indignação e revolta, sem clarificação para os viseenses, por parte da Direcção e dos omnipresentes autarcas locais, de tudo quanto se está a passar. Nomeadamente a cabal dilucidação dos motivos e fundamentos do afastamento de Luís Duarte, facto que está a dividir a Corporação, assim como a eventual “partidarização” de uma Entidade que se quer distante destas desestabilizadores manobras políticas de bastidores, que  não só fragilizam os BBV, mas mais, mostram um estranho “modo de agir“, caracterizador de quem parece pretender pintar de “laranja” a maioria das instituições locais, preterindo o mérito e a folha de serviço, que é indiscutível quando falamos de Luís Duarte e Carlos Couto, por exemplo, em prol de outros  coloridos “valores”.

“Os Bombeiros Voluntários de Viseu têm novo dono. Isso mesmo se ficou a saber numa reunião onde o senhor Presidente da Direção optou por chamar “filho da p_ _ _” a um dos mais respeitados e condecorados chefe dos Bombeiros. Um operacional a quem a República Portuguesa atribuiu condecoração e que foi vilipendiado pelo senhor Presidente da Direção que o apelidou de filho de mãe alheia, numa reunião destinada a consumar a substituição no comando e sem direito a perguntas. Um insulto que é extensível a todos os bombeiros, já que o Chefe em causa foi formador de uma grande maioria de bombeiros e feito numa reunião de companhia. Valha-nos São Marçal!

Nessa reunião da Direção com o Corpo Ativo, sem direito a perguntas e onde pontuou um senhor Sargento que não é bombeiro nem diretor, imperou a altivez, o quero, posso e mando e a ditadura monocromática que se vai apessoando da Associação Viseense de Bombeiros Voluntários, cuja humanidade a devemos ocultar porque não a pratica.

Dividiu-se o Corpo Ativo, quebrou-se uma operacionalidade exemplar e os graves problemas porque passa a instituição continuam por resolver. Após três reuniões as mais de duas dezenas de funcionários continuam cada um com seu contrato, para uns há subsidio de refeição, para outros não há horas extraordinárias e só esperamos pelo dia em que os sindicatos ou a ACT levarão os bombeiros ao tribunal e os condenarão a vultuosas indemnizações, como sucedeu no Seixal.

O prédio da rua José Branquinho por lá está como o mais evidente sinal de abandono; viaturas de combate a fogo urbano, numa cidade com esta densidade e com esta população, temos uma, velha e a cair de podre; autotanques de grande capacidade um e obsoleto; seguros que realmente protejam os bombeiros não existem e medicina do trabalho ausente porque se tivesse havido uma avaliação da robustez do novíssimo comandante provavelmente não seria indicado.

Consumou-se o golpe palaciano e o segundo-comandante sucede ao Comandante nas operações dos Bombeiros Voluntários de Viseu. Um golpe conduzido com mestria, sabemos nós com que intuitos, num processo onde a Direcção não cumpriu o que prometeu aos bombeiros: transparência e explicações. A Direcção existe para manter e sustentar o Corpo de Bombeiros que foi o que o comandante Casimiro, em 1886, e os seus homens projectaram e o que os viseenses desejam. E não vale a pena, como o fez o senhor vice-presidente à saída da reunião, dizer que ninguém os demite e que estão de pedra e cal. Que vá ver o que aconteceu em 1995. Foi há 22 anos e está nas actas dos órgãos sociais.

Mas não sustentam e não fazem. Pior ainda, insultam os bombeiros, com palavras feias e que deviam envergonhar o mais empedernido dos ruins e instigam a destruição de uma força única e imprescindível ao país, como o fez o senhor adjunto do Comando que não teve pejo em divulgar uma ordem de serviço, um documento interno, de uma outra corporação para mostrar o que aí vem. Uma longa noite de cristal, com longas facas que não poupa nem um condecorado dirigente de uma associação nacional de Bombeiros.

Esperamos nós, os bombeiros que insistem em manter a dignidade, que o concelho e a comunidade viseense acorde. Basta ver as inscrições para a Ceia de Natal dos Bombeiros. Porque se a cidade não acorda e as forças vivas não acodem aos Bombeiros Voluntários de Viseu vamos ter problemas. A começar na litigância, laboral e cível a que agora o douto do nosso Presidente da Direcção entendeu por bem juntar a criminal. Com um sonoro “filho da p _ _ _” ouvido, percebido, anotado e entendido por todos os presentes na reunião. E que, infelizmente, esta semana chegou à justiça. Se os directores não respeitam os Bombeiros, se não respeitam a farda, se não se coíbem de cuspir insultos públicos, quem os respeitará? O povo e os sócios a quem pedimos, abnegadamente, socorro.“

Fonte: Rua Direita

Sem comentários:

Enviar um comentário