Suspeito de Incêndios na Madeira Condenado a Três Anos de Prisão Efetiva VIDA DE BOMBEIRO: Queixas Sobre a Alimentação dos Bombeiros e Pedidos de Ajuda Duram Há Dois Meses

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Queixas Sobre a Alimentação dos Bombeiros e Pedidos de Ajuda Duram Há Dois Meses


Falta de qualidade da comida, distribuição fora de horas e escassez de alimentos leva a pedidos de ajuda frequentes às populações. “Rações de combate” anunciadas não são vistas no terreno. Ministério ordenou inquérito.

Há cerca de dois meses, logo depois dos grandes incêndios no Pinhal Interior Norte, em meados de Junho, que bombeiros, associações e sindicatos têm vindo a denunciar a falta de qualidade na alimentação que é servida a muitos operacionais que combatem os fogos. Nesta segunda-feira, o Ministério da Administração Interna (MAI) anunciou ter ordenado à Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) a “realização de um inquérito sobre as condições de fornecimento de refeições aos bombeiros que durante o mês de Agosto têm participado nas operações de combate aos grandes incêndios”.

O relatório tem de ser entregue ao Governo até 30 de Setembro e a abertura do inquérito, ordenada pelo secretário de Estado da Administração Interna Jorge Gomes, fica a dever-se “às várias denúncias, segundo as quais as refeições são inapropriadas, face ao desgaste a que os operacionais são sujeitos neste tipo de missão".

Na passada quarta-feira, o PÚBLICO enviou à ANPC um conjunto de perguntas sobre esta questão. Na quinta-feira as questões foram enviadas ao MAI, que remeteu as respostas para a ANPC. Até ao início da noite desta segunda-feira, a ANPC, apesar das várias insistências, nada disse.

Logo após os grandes incêndios no Pinhal Interior Norte, onde se localiza Pedrógão Grande, que nas redes sociais e em alguns órgãos de comunicação social surgiram várias queixas dos bombeiros. Lamentavam a qualidade da comida, as horas a que era distribuída, a pouca quantidade e o embalamento. Apesar disso, nas conferências de imprensa diárias da ANPC foi sendo sempre afirmado que as informações que tinham do terreno davam conta que a logística da alimentação estava a correr de forma normal.

O presidente da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP), Fernando Curto, disse na semana passada ao PÚBLICO que há vários meses que tem vindo a denunciar “deficiências na alimentação aos bombeiros nos teatros de operações". “É comida mal confeccionada, muitas vezes sem qualidade e entregue fora de horas adequadas para a alimentação”, afirma.

Curto diz que a situação “não é generalizada”, lamenta, porém, “não haver uma uniformidade” na comida que é servida nos diversos locais onde têm ocorrido fogos e “ a falta de fiscalização”.

Também o presidente Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP), Jaime Marta Soares, confirma “situações de insuficiência” e a existência de “queixas de falhas em muitos teatros de operações”. “Alguma da alimentação não era de qualidade e, por outro lado, não era servida atempadamente.”

Outra situação que incomoda as associações é o facto de, com muito frequência durante os incêndios surgirem nas redes sociais pedidos de ajuda, por parte de associações de bombeiros, juntas de freguesia e associações humanitárias, para entrega de alimentação aos operacionais que combatem os fogos.

“Pedir alimentos é ridículo. Não vejo a PSP ou a GNR a pedirem alimentos quando estão em acção. É uma vergonha e um miserabilismo, não deviam existir”, diz Fernando Curto.

“Muitas vezes, se não fossem as populações e os voluntários os bombeiros não tinham o que comer. Já vi muitos incêndios começarem e, passadas duas ou três horas, já estão a ser feitos pedidos de ajudas de alimentos. Ora, se houvesse comida suficiente não havia necessidade destes pedidos”, acrescenta o presidente do Sindicato Nacional dos Bombeiros Profissionais, Sérgio Carvalho.

Recomendações da Direcção-Geral de Saúde
A Direcção-Geral de Saúde (DGS) emitiu dia 21 de Julho, já em plena fase Charlie de combate aos incêndios (a mais grave), um manual de “Recomendações gerais para a alimentação dos Bombeiros”. Um documento longo que detalha os cuidados que os bombeiros devem ter com a alimentação ao longo do ano e em especial durante o período de combate aos fogos. Esse documento revela também de forma pormenorizada um kit de emergência que seria entregue às delegações regionais de Protecção Civil e posteriormente aos bombeiros em caso de necessidade.

Nesta altura, fonte da Protecção Civil disse à agência Lusa, que os kits eram uma espécie de “ração de combate” moderna adaptada ao esforço dos bombeiros, com características específicas do ponto de vista energético e nutricional, para por exemplo compensar a desidratação. Referiu ainda que os kits já estavam a chegar aos comandos distritais, sendo esses comandos que os distribuem em caso de necessidade.

O PÚBLICO enviou também ao MAI e à ANPC várias perguntas sobre estes kits, na passada semana, mas não obteve respostas.

Fernando Curto e Jaime Marta Soares garantem nunca os ter visto nos teatros de operações. “São como os comboios que iam transportar os bombeiros para os fogos, também nunca os vi”, graceja o presidente da Liga.

Nunca viram as “rações de combate”
Nesta segunda-feira, o PÚBLICO falou com os comandantes dos Bombeiros de Faro, Leiria e Bragança. Todos eles disseram nunca terem visto as ditas “rações de combate”.

No passado dia 18 deste mês, o site bombeiros.pt, o portal dos bombeiros portugueses, revelava que a ANPC “esperou pelo pico do Verão para adquirir os ditos “pacotes individuais com refeições frias para os operacionais no campo de operações”.

O contrato, que o PUBLICO confirmou constar no Portal Base data do dia 24 de Junho e através dele a ANPC encomendou à espanhola José Manuel Poveda S.A. a aquisição de quatro mil destes kits no valor de 47.480,00 euros.

A ANPC deu um prazo de 30 dias à empresa espanhola para entregar a mercadoria, ou seja, estas refeições já deveriam ter chegado até 24 de Agosto. A ANPC também não esclareceu o PÚBLICO se a encomenda já chegou e se já foi distribuída.

Na passada semana, levantou-se mais uma voz contra a forma como os bombeiros que combatem os fogos são alimentados. Foi a do presidente da Câmara do Sardoal, Miguel Borges, zona também fortemente fustigada pelos fogos este mês. 

“De uma forma generalizada, os apelos à população para ofertarem bens que, supostamente, são necessários aos bombeiros, são pura falácia e uma desresponsabilização de quem na verdade o deve fazer”, afirma num artigo de opinião publicado no passado dia 27 no site mediotejo.net intitulado Protecção Civil – um sistema nacional assente em pés de barro.

Miguel Borges lembra as verbas que o Estado disponibiliza para alimentar os bombeiros e diz que essas verbas são entregues a quem trata da logística “sem necessidades de documentos comprovativos de despesa”.

“Então para que servem os peditórios? Será que não corremos o risco de, em determinadas situações se reduzir no essencial uma refeição condigna, para quem anda há bastantes horas, com enorme esforço, no terreno, a favor do lucro fácil? Os bombeiros sabem do que falo!”, escreveu.

Contactado esta segunda-feira pelo PÚBLICO, o autarca diz ter conhecimento de “muitos casos em que os bombeiros são mal alimentados”, recebendo refeições “que por vezes não valem dois euros”, quando o Estado disponibiliza sete euros para cada almoço ou jantar dos operacionais em serviço.

"Para onde vai o dinheiro"?
“Para onde vai o resto do dinheiro. Será que este dinheiro não serve para, de uma forma encapotada financiar os bombeiros em vez de ir para a alimentação?”, pergunta, acrescentando porém, “ter a certeza que o dinheiro é bem gasto porque as pessoas são sérias”. “O problema é que se misturam pessoas sérias com outras que podem não ser.”

Miguel Borges, eleito pelo PSD há quatro anos, diz denunciar estas situações há vários anos, a governos PSD e PS e que nunca lhe deram ouvidos. “O que se passa com o dinheiro da alimentação dos bombeiros é uma vergonha e todos o sabem. Aquilo é uma espécie de saco azul sem controlo. Muitas vezes as refeições não são sequer dignas para os homens que fazem o esforço que fazem. Os bombeiros não podem ser assim tratados, têm de ser respeitados. Eu tinha vergonha se algum bombeiro do Sardoal se queixasse de ser mal alimentado.”

Fonte: Publico
Comentários
0 Comentários

Sem comentários:

Enviar um comentário

2015 Copyright – Todos os Direitos Reservados : VIDA DE BOMBEIRO