Coronado Reivindica Polo dos Bombeiros - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

domingo, 27 de dezembro de 2015

Coronado Reivindica Polo dos Bombeiros

A Assembleia de Freguesia do Coronado aprovou, a 17 de dezembro, com as abstenções do PSD/CDS-PP as Opções do Plano de Atividades e Orçamento para o ano de 2016. Instalar um polo dos bombeiros na freguesia é um dos desejos.

Com um orçamento de “414 mil e 745 euros”, a Junta de Freguesia do Coronado apresentou à Assembleia as Opções do Plano de Atividades, que, segundo o presidente José Ferreira, é “muito realista” e “adaptado à realidade que a Junta atravessa, com as dificuldades e os constrangimentos financeiros que tem, atendendo à necessidade e à nova realidade que estas duas freguesias trouxeram”.

Entre as propostas, além das requalificações da Casa da Ressureição (casa mortuária) e cemitérios e de intervenções de algumas ruas, há a “reivindicação da presença de um polo dos Bombeiros Voluntários da Trofa (BVT) para a Vila do Coronado”.

Adriano Vasconcelos (PSD/CDS-PP) afirmou que as propostas são “excelentes” e que era “bom que fossem concretizadas”. “Desafio o executivo” a reivindicar uma dependência dos BVT, uma vez que “agora S. Romão e S. Mamede são uma só freguesia”. “Precisamos de uma dependência dos BVT na nossa freguesia”, referiu Adriano Vasconcelos.

O presidente da Junta recordou que “quase foi efetivada” uma dependência dos BVT para a então freguesia de S. Mamede, havendo até uma “ambulância que depois foi para a Trofa” e “bombeiros já destinados, e que eram todos de cá, que acabaram por ir para lá”. “Esta hipótese não está fora de questão, mas não é fácil criar aqui instalações. A Junta de Freguesia e a direção da Associação Humanitária dos BVT estão a dialogar”, adiantando que a direção dos BVT “está sensível e sabe que faz falta”.

Ainda no período antes da ordem do dia, Ricardo Santos (PSD/CDS-PP) “apelou” ao executivo da Junta para “agendar uma reunião com os representantes do Futebol Clube S. Romão”, para que haja “uma mútua colaboração em prol do desporto, das crianças e do desenvolvimento da nossa freguesia”. José Ferreira declarou que, “atualmente, a Junta de Freguesia não tem condições para apoiar financeiramente na dimensão que o S. Romão pretendia”.

Contudo, José Ferreira referiu que “já reuniu com o presidente do S. Romão” (Rui Damasceno) e que a Junta de Freguesia do Coronado “cede o autocarro, a carrinha, limpeza e a água para o recinto”. “Há uma série de apoios, que não são financeiros. Pode haver um apoio residual ou muito direcionado para uma atividade ou outra, mas um apoio mensal para ajudar as custas do clube é impossível”, explicou.

O presidente da Junta asseverou ainda que a Câmara Municipal da Trofa “atribuiu 135 mil euros ao Trofense para as camadas jovens, que são cerca de 200 miúdos”, e por “esta lógica, o S. Romão, pelo número de atletas que tem, deveria de receber metade deste valor”. “A Câmara tem essa responsabilidade de apoiar o associativismo. Para a Junta financeiramente é muito difícil”, terminou.

Já no período de intervenção do público, Rui Damasceno usou da palavra para declarar que a Junta de Freguesia do Coronado “fugiu à sua responsabilidade, atirando para a Câmara Municipal”. “Não concordo que S. Romão tenha que ganhar metade. Trofense é Trofense e S. Romão é S. Romão, temos que saber separar as águas. Trofense tem outras condições e despesas e muito mais do que nós”, atirou, mencionando que além de “receber quatro mil euros” de subsídio da Câmara, o FC S. Romão utiliza “o pavilhão” da Escola Básica e Secundária do Coronado e Castro para os “treinos diários” e “jogos aos fins de semana”, e “não pagam nada”. 

Além de “também precisar de dinheiro” como as “outras coletividades” da freguesia, o presidente do FC S. Romão recorda que “já pediu um protocolo para a cedência do campo de S. Mamede, para a realização de jogos”, através de um “ofício em 8 de junho de 2014”, mas que até agora “não obteve resposta”. José Ferreira respondeu que sobre esta matéria já tinha esclarecido a assembleia no período antes da ordem do dia.

Fonte: O Noticias da Trofa

Sem comentários:

Enviar um comentário