Hospital de Penafiel diz que Idosa que Morreu nas Urgências Estava em "Fim de Vida" - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quarta-feira, 3 de janeiro de 2024

Hospital de Penafiel diz que Idosa que Morreu nas Urgências Estava em "Fim de Vida"

 


Uma mulher com cerca de 80 anos morreu na noite desta terça-feira no Hospital Padre Américo, em Penafiel, enquanto aguardava na maca para ser atendida, avançou o Porto Canal.


Há mais de 77 doentes internados e nove ambulâncias retidas no hospital. O tempo médio de espera para doentes com pulseira amarela é superior a cinco horas. Para doentes urgentes ascende a mais de duas horas. 


Às 12h30 já se encontravam mais de 50 doentes na urgência do Hospital Padre Américo, de acordo com a informação prestada à Lusa pelo comandante Alexandre Pinto dos Bombeiros de Baião.


A urgência do Hospital Padre Américo é a única com capacidade médico-cirúrgica do centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS), que inclui também o Hospital de São Gonçalo, em Amarante, onde funciona uma urgência básica.


Num pedido de esclarecimento, o hospital disse ao CM que "a doente referida nas notícias deu entrada no Serviço de Urgência Médico Cirúrgica do CHTS às 19h16h, foi submetida a triagem de Manchester às 19h19h e triada com prioridade laranja. Às 20h06, após avaliação clínica foi registado o óbito".


A mesma fonte afirmou tratar-se de "uma doente em fim de vida e sem critérios clínicos para qualquer manobra invasiva de reanimação".


"O serviço encontra-se sob enorme pressão, tendo o número de internados no Serviço de Urgência atingido esta manhã os 85 doentes. Tais circunstâncias dificultam muito o funcionamento do serviço, não só pela sobrecarga de trabalho, mas pelas limitações de espaço que condicionam o normal funcionamento. No entanto, é de ressalvar que, neste caso em particular, as ações tomadas teriam sido as mesmas em circunstâncias diferentes", concluiu.


Segundo a Ordem dos Enfermeiros, a urgência do hospital enfrenta uma "situação caótica" com dezenas de doentes. "A situação é caótica, porque o hospital não tem capacidade com este pico de pandemia de gripe", disse à agência Lusa Miguel Vasconcelos, presidente do Conselho Diretivo Regional Norte da Ordem dos Enfermeiros.


Correio da Manhã

Sem comentários:

Enviar um comentário