Bombeiros Voluntários do Marco de Canaveses Celebraram 100 Anos de Dedicação à Causa Humana - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

domingo, 21 de janeiro de 2024

Bombeiros Voluntários do Marco de Canaveses Celebraram 100 Anos de Dedicação à Causa Humana

 


Os Bombeiros Voluntários do Marco de Canaveses assinalaram este sábado, dia 20 de janeiro, o centenário da associação. O evento iniciou com uma formatura, seguida do hastear da bandeira e da deposição de flores no monumento ao bombeiro. Mais tarde, foram recebidos os convidados e decorreu a benção das viaturas e a sessão solene. O dia encerrou com um desfile apeado e motorizado.


Durante a sessão solene foram várias as intervenções e palavras de agradecimento e reconhecimento que foram deixadas a todas as pessoas que fizeram parte da história dos cem anos da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Marco de Canaveses. A presidente, Cristina Vieira, discursou enquanto cidadã e presidente do município. “É um motivo de orgulho muito grande poder estar como autarca neste que é o centenário da associação, da qual nos orgulhamos do trabalho feito durante estes cem anos, mas sobretudo pelo trabalho que estes homens e mulheres desenvolvem ao longo da vida. Um trabalho em prol do outro, de solidariedade, sobretudo, de conceberem a segurança e aquilo que é o apoio aos marcoenses, por isso, é um motivo de alegria”.


Neste sentido, a autarca deixou uma palavra de reconhecimento a quem fez e continua a fazer parte desta casa. “Queria deixar uma palavra de reconhecimento àqueles que já não estão entre nós e àqueles que estão e que fazem parte da história dos bombeiros, porque todos contribuíram para o trabalho e nome desta associação. Foi um dia de festa, tivemos corporações vizinhas e altas entidades que representam a autoridade de proteção civil e, todas elas ,reconhecem que o trabalho dos Bombeiros Voluntários do Marco é um trabalho meritório”, destacando que é “positivo. Claro que fico muito satisfeita, é motivo de orgulho para todos os marcoenses, um reconhecimento justo que podia não ser feito, mas que fazem questão de fazer”.


Cristina Vieira demonstrou ainda uma preocupação com a profissionalização dos bombeiros e garantiu que a câmara continuará a apoiar os Bombeiros Voluntários do Marco de Canaveses. “Os bombeiros não podem estar dependentes do voluntariado, defendo que haja uma profissionalização da carreira de bombeiro, têm de ter uma carreira e um salário ajustado. Por isso, deve haver esperança acompanhada por um caminho de exigência, risco a que se dispõem e uma compensação financeira mais robusta, acredito que este caminho se fará. O município tem feito um reconhecimento com palavras e ações, através de uma parceria humana e financeira. Podem continuar a contar com a nossa confiança e admiração e com a nossa determinação em apoiar as vossas expetativas. Estamos cá e vamos continuar a estar”.


João Lima: “Apenas 10% dos marcoenses são sócios desta casa”

João Lima, presidente da associação, começou por dirigir duas palavras “Parabéns e Obrigado” aos bombeiros, associados e corpo dirigente. “Só foi possível chegar aqui com o vosso contributo. Há cem anos um grupo de valorosos marcoenses reuniu-se no salão nobre dos Paços do Concelho para criar esta associação que deu os primeiros passos com cerca de 14 operacionais, no ano seguinte inauguraram as instalações do quartel e depois aventuraram-se na compra de uma viatura que só foi possível graças aos marcoenses”.


Durante a intervenção, enumerou vários nomes que contribuíram para o centenário dos bombeiros e destacou que: “todos os bombeiros que cá passaram e que estão cá são merecedoras do nosso reconhecimento, são os principais atores da história da associação, feita de bravura, altruísmo e fraternidade”, sem esquecer os associados, aproveitando também para deixar um apelo. “Os associados também não podem ser esquecidos, mas temos de fazer mais, Marco de Canaveses tem cerca de 50 mil habitantes, os bombeiros têm cerca de cinco mil associados, se fizermos as contas, apenas 10% dos marcoenses são sócios desta casa. Temos hoje 120 bombeiros no quadro ativo, 42 infantes e cadetes, 43 viaturas e três quartis, tem sido uma preocupação dar melhores condições aos nossos operacionais de forma que possam prestar melhor socorro e, para isso, necessitamos do contributo de todos”.


Entre várias dificuldades que mencionou, o presidente realçou que “o espaço no quartel é cada vez menor, apesar de termos menos bombeiros. Antigamente, a presença do público feminino não era uma realidade no quartel, atualmente, os bombeiros têm de encontrar espaços para camaratas, balneários separados… e não há ”, acrescentando também a importância de adquirirem “um veículo urbano para incêndios, um investimento na ordem dos 350 mil euros”.


Embora as dificuldades, João Lima garantiu que: “os Bombeiros do Marco de Canaveses tudo farão para estar à altura da confiança que depositam neles. A história dos Bombeiros do Marco espelha o compromisso de diferentes gerações, os bombeiros levam o lema ‘fazer o bem, sem olhar aquém'”.


Sérgio Silva: “Foram 14 bravos que há cem anos deram início a esta caminhada”

Sérgio Silva, comandante dos bombeiros, dirigiu as primeiras palavras “aos 14 bravos que há cem anos deram início a esta caminhada, outros se seguiram e foram muitos, porque um corpo de bombeiros é feito de homens e mulheres que com a sua perseverança, garra, vontade de vencer e fazer faz com que hoje estejamos aqui orgulhosamente”.


No centenário da sua associação humanitária, Sérgio Silva falou de algumas dificuldades, entre elas, o voluntariado. “A falta de voluntariado persiste, não nos pudemos esquecer que os bombeiros continuam a ser o elo mais forte junto da comunidade local, socorrem a sua localidade. Será que não devemos reforçar um conjunto de medidas para incentivar o voluntariado?”, foi apenas uma das questões lançadas.


No papel de comandante, tem como objetivos garantir “os meios adequados e profissionais preparados para podermos enfrentar desafios e missões com maior segurança e rapidez. Recordamos as adversidades económicas há poucos anos, mas com o espírito de solidariedade, trabalho árduo e determinação permitiu-nos superar essas dificuldades, hoje estamos no caminho certo. O município tem colaborado com o corpo de bombeiros, tem acolhido as nossas dificuldades e tem ajudado mediante as nossas possibilidades, tudo o que faça pelos bombeiros estará a fazer pela comunidade marcoense no que respeita ao socorro de pessoas e bens”.


Dentro dos agradecimentos, realçou os familiares dos bombeiros e os próprios operacionais. “Palavra de agradecimento ao pilar basilar de todos os bombeiros e, por vezes, oculto.. os familiares dos bombeiros. Sacrificados com a nossa ausência quero-vos endereçar um muito obrigada. Os anos passam e a nossa missão continua, permanecemos unidos perante as adversidades, uma prova dos laços que nos unem como bombeiros, representamos uma família comprometida com a segurança e bem estar da comunidade”.


Tomás Ferreira espera que terreno do Lapoceiro seja uma realidade “no ano do centenário”

Tomás Ferreira, presidente da Assembleia Geral dos Bombeiros Voluntários do Marco de Canaveses, considerou que aos presentes tocou a “sorte” por puderem celebrar o centenário. “Esta não é uma comemoração qualquer, toca-nos a sorte de estarmos presentes e evidenciarmos o centenário desta nobre instituição. Temos o encargo de todos os nossos antecessores para garantir a continuidade e sucesso, é uma responsabilidade de todos. Os bombeiros não vivem para si, vivem para servir e servem sem nada pedirem em troca, serviram cem anos e mais cem anos irão servir, porque ser bombeiro não é um trabalho, ser bombeiro é uma forma de vida”.


Aos associados pediu “uma participação viva e constante. As necessidades dos bombeiros são hoje diferentes e mais exigentes e vão crescendo todos os anos, bem como as suas responsabilidades de garantia, prontidão e socorro. Os sócios e os munícipes devem participar cada vez mais. Foram os sócios que, chamados à luta pela causa dos bombeiros, responderam massivamente, tão significante foi a mobilização dos associados que pela sua ação foi possível sensibilizar a câmara municipal para a cedência do Terreno do Lapoceiro aos bombeiros”.


Neste âmbito, agradeceu à câmara municipal por ter revertido a situação e garantiu que é preciso “arregaçar mangas. Um sincero e profundo agradecimento, e peço que a câmara municipal tudo faça para que tal aconteça no ano do nosso centenário. Uma vez conquistado o terreno do Lapoceiro há que lançar-se ao trabalho”, finalizando com uma mensagem dirigida aos bombeiros. “Os cem anos que festejamos se devem a eles e a tantos outros que antes deles vestiram a farda dos bombeiros e honraram esta associação, sem o vosso exemplo, empenho e valentia nada havia hoje para festejar”.


Presidente Liga dos Bombeiros: “Os bombeiros do Marco podem continuar a contar connosco”

António Nunes, presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, referiu que os objetivos da liga são “alcançar os objetivos que são de todos” e concretizar o trabalho que “já devia ter sido feito. Tenho grandes expetativas no futuro dos bombeiros voluntários de Portugal, todos nós de uma forma ou de outra, temos de contribuir para isso. A liga tudo fará para mudar o estatuto de bombeiro voluntário, quer o estatuto do dirigente associativo, quer as carreiras profissionais do bombeiro voluntário com contrato de trabalho para que sejam uma realidade. Já devia ser feito, mas muitas vezes as questões que queremos ultrapassar não são conhecidas, não por falta de vontade, mas pelos desentendimentos normais da burocracia”.


Para finalizar, deixou uma mensagem aos bombeiros do Marco de Canaveses. “Os vossos cem anos ajudam a demonstrar que os bombeiros são uma parte da sociedade e compete-nos a todos alcançar os objetivos que são de todos”.


Presidente da ANEC: “Em Marco de Canaveses há um corpo de bombeiros forte”

O presidente da Autoridade Nacional de Emergência Civil, José Manuel Costa, destacou que, embora as dificuldades sentidas pelos bombeiros, é importante dar reconhecimento ao valor moral. “Não sermos vagos no nosso salário moral, naquilo que podemos reconhecer às pessoas”, dando o seu exemplo: “os momentos que me marcaram não foram os que fui buscar o meu vencimento, foram os momentos em que as instituições a quem pertencia reconheceram o meu trabalho”.


Desta forma, reconheceu também o trabalho desenvolvido pelos Bombeiros Voluntários do Marco de Canaveses. “Os cem anos são uma marca indelével numa associação, mas indelével é o trabalho que é desenvolvido por todos os bombeiros. A palavra bombeiros é a mais requerida em todas as situações de perigo, os bombeiros estão em incêndios, acidentes, inundações, catástrofes. Bombeiros é uma palavra que tem marca própria, a espinha dorsal do sistema de proteção civil, temos de reconhecer o papel dos bombeiros. Em Marco de Canaveses há um corpo de bombeiros forte, capaz, profissional e que tem a capacidade de dar segurança”.


Bispo do Porto: “Que as vidas sejam salvas e o bem chegue ao maior número de pessoas“

O Bispo do Porto, D. Manuel Linda, também deixou uma mensagem de esperança aos bombeiros e comunidade marcoenses. “Seja qual for a ideia que nós temos de sobrenatural, pensamos num ser bom e que quer a bondade, estas viaturas vestiram-se exatamente à bondade, à ajudar pessoas em dificuldades, a passarem essas mesmas dificuldades e a obterem o bem. Pedimos a este Ser superior que nós, católicos, chamamos de Deus que faça duas coisas: ajude os homens e as mulheres que vão usar estas viaturas a serem eles também generosos e também que a partir das condições técnicas, as vidas sejam salvas e o bem chegue ao maior número de pessoas. Por muitos e bons séculos aos bombeiros”.


Jornal A Verdade

Sem comentários:

Enviar um comentário