Penafiel é o Único Município do País sem Equipa de Intervenção Permanente (EIP) - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

sábado, 7 de janeiro de 2023

Penafiel é o Único Município do País sem Equipa de Intervenção Permanente (EIP)

 


O Município de Penafiel é o único no país que não tem qualquer Equipa de Intervenção Permanente (EIP).


Todos os Corpos de Bombeiros do país têm pelo menos uma equipa, sendo que em grande parte dos Corpos de Bombeiros já existem duas equipas, e outros contam já com 3, e sendo que recentemente um Corpo de Bombeiros assinou o protocolo para a 4ª Equipa de Intervenção Permanente.


Será caso para se dizer, "Uns com tanto, outros com tão pouco ou praticamente nada".


Em 2018 o presidente da Câmara Municipal de Penafiel, Antonino de Sousa, esclareceu que, "A questão das equipas de intervenção permanente que foram propostas às câmaras municipais, são uma panaceia que não serve para resolver nada porque pretendem atribuir a cada município uma equipa de cinco homens que serão profissionais e que estarão alocados a uma corporação de bombeiros”, disse, esclarecendo que em Penafiel existem  três corporações de bombeiros, situação que deixa ao executivo municipal dificuldades acrescidas na escolha da corporação que irá acolher a equipa de intervenção permanente.


“Como é que vamos decidir? Vamos alocar essa equipa a que corporação? Àquela que tem a maior área territorial? Ou àquela que tem mais dificuldade em ter voluntários? E como é que vai funcionar essa equipa? Vai trabalhar de acordo com um horário normal de trabalho, já que são profissionais de trabalho, das nove às cinco, com feriados e fins-de-semana? Ou vão ser bombeiros no sentido mais tradicional do termo que estão sempre disponíveis a actuar? É uma forma patética de lidar com uma situação. O que precisávamos era que os bombeiros tivessem a atenção que deveriam ter com meios e com verbas que lhes permitissem efectivamente corresponder àquele que é o desafio que têm permanentemente pela frente e isso infelizmente não tem acontecido”, adiantou.


De referir que o Município de Penafiel, que tem uma das maiores áreas florestais do Tâmega e Sousa,  avançou com medidas de apoio aos bombeiros das três corporações do concelho. 


A ideia passa por apoiar as centenas de homens e mulheres, mais de 400, que se dedicam a proteger, de forma voluntária, os mais de 212 km2 do concelho de Penafiel.


A autarquia  isentou de IMI todos os bombeiros das 3 corporações, até 150€/ano, valor médio do referido imposto no concelho de Penafiel.


Quem não tem habitação própria  beneficia de uma contribuição municipal de apoio à renda, de montante idêntico, bem como a atribuição de outras medidas, já aprovadas, como a atribuição de um seguro de saúde para todos os “soldados da paz” e ainda a atribuição de uma tarifa social para a água e saneamento, para o agregado familiar do bombeiro.


Para Antonino Sousa, Presidente da Câmara Municipal de Penafiel, “É importante homenagearmos os nossos bombeiros durante todo o ano, e não apenas na época dos incêndios. Estamos gratos aos homens e mulheres que estão sempre disponíveis para prestar socorro no nosso concelho e não podemos esquecer, que os bombeiros são o pilar da proteção civil municipal.” 


Contudo, neste momento o município de Penafiel é único no país sem qualquer Equipa de Intervenção Permanente.


Para Paulo Araújo Correia, líder do principal partido da oposição, não faz qualquer sentido o Município de Penafiel não contar com uma Equipa de Intervenção Permanente em cada Corpo de Bombeiros do concelho, sendo que estas são uma mais valia muito importante no que concede ao socorro atempado e com qualidade, acrescentando até que não se pode usar como desculpa a verba a gastar com estas equipas, pois elas são pagas 50% pela ANEPC e os outros 50% pelos municípios. 


Numa altura em que cada vez é mais difícil recrutar novos elementos para os Corpos de Bombeiros, Paulo Araújo Correia salienta que em relação às EIP, o município de Penafiel é uma "espécie de carro em contramão numa autoestrada, em que todos estão mal, e só este está bem".

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________