Marcelo pede aos Portugueses que se Preparem para Um Ano Difícil no que Concede a Incêndios Rurais - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

quarta-feira, 25 de janeiro de 2023

Marcelo pede aos Portugueses que se Preparem para Um Ano Difícil no que Concede a Incêndios Rurais

 


O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, apelou, esta terça-feira, aos portugueses para se prepararem para o problema dos incêndios em 2023, prevendo que será um ano muito difícil.


"Não há instituições que possam ter sucesso [na prevenção dos incêndios] se os portugueses não aderirem", afirmou o Presidente da República, apelando a que todos possam "começar no inverno a trabalhar para o verão", na expectativa de que a população se prepare para ter "um papel fundamental" na próxima época de incêndios.


Marcelo Rebelo de Sousa falava em Mafra, no final da apresentação da Operação Floresta Segura que a GNR vai levar a cabo entre os dias 1 de fevereiro e 30 de novembro.


Uma apresentação "muito impressiva, muito clara, muito transparente e mostrando a disponibilidade e a competência da Guarda Nacional Republicana", afirmou o chefe de Estado, assumindo acompanhar "as preocupações do Governo" num ano que se perspetiva "difícil quanto a fogos".


Primeiro "porque as informações que temos no plano europeu vão nesse sentido" e, segundo "porque passaram seis anos sobre os incêndios de 2017 e quem conhece estes ciclos sabe que, em termos de acumulação de combustível, isto transforma este ano num ano mais complicado do que 2022, 2021, 2020", estimou.


Um panorama que merece a preocupação de Marcelo, para quem, além de as entidades ligadas à prevenção estarem a trabalhar em conjunto, é necessária "a colaboração dos portugueses".


Questionado pelos jornalistas sobre as notícias de que o altar onde o Papa Francisco vai encerrar a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) foi adjudicado por 4,2 milhões de euros, o Presidente disse que "gostaria de ouvir as explicações" da organização" para depois se pronunciar "sobre estes custos".


Fonte: JN

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________