Moedas Promete mais Apoios a Bombeiros na Evocação do Incêndio do Chiado - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

sexta-feira, 26 de agosto de 2022

Moedas Promete mais Apoios a Bombeiros na Evocação do Incêndio do Chiado

 


O presidente da Câmara Municipal de Lisboa assinalou, esta quinta-feira, os 34 anos do grande incêndio do Chiado, agradeceu o trabalho dos bombeiros da cidade, inclusive nos fogos que deflagram por todo o país, e comprometeu-se com "mais apoios".


"Estou consciente do vosso papel, por isso sei bem a importância da construção da nova escola do Regimento [de Sapadores] em Marvila, a necessidade de requalificar mais quartéis no nosso regimento, a necessidade de atribuir mais meios, mais apoios, aos nossos bombeiros voluntários, para que cumpram diligentemente esta missão, e queremos fazer mais", destacou o presidente da Câmara, Carlos Moedas.


O autarca falava na cerimónia de comemoração do Dia Municipal do Bombeiro, que decorreu junto à lápide evocativa do incêndio do Chiado, na Rua do Carmo, em Lisboa.


Depois de percorrer alguns momentos importantes da história dos bombeiros na capital, Carlos Moedas destacou o dia 25 de agosto de 1988. "Faz hoje 34 anos, exatamente, que deflagrou o incêndio do Chiado. Para muitos, a maior tragédia que se abateu sobre Lisboa depois do terramoto [de 1755]."


Após a evocação do incêndio, inclusive com a colocação de uma coroa de flores sob a placa comemorativa e a realização de um momento de silêncio, o autarca, que é natural de Beja, partilhou as suas memórias desse dia. "Era um jovem de 18 anos e nesse agosto de 1988 que estava a chegar a Lisboa, pela primeira vez", recordou.


Tudo nesse dia me marcou, mas marcou-me sobretudo o que a nossa cidade nesse dia perdeu


"Lembro-me porque os meus avós viviam no Barreiro e, ao passar o barco, vimos o que realmente estava a acontecer: o medo, o choro, as pessoas, tudo nesse dia me marcou, mas marcou-me sobretudo o que a nossa cidade nesse dia perdeu", afirmou.


Entretanto, num comunicado enviado após a cerimónia, a Câmara de Lisboa anunciou a duplicação do número de meios afetos à emergência pré-hospitalar em permanência, a partir de 1 de setembro, que passa assim a contar com 12 ambulâncias de socorro dos bombeiros voluntários da cidade para apoio direto ao INEM.


Esse reforço insere-se no Dispositivo Integrado Permanente de Emergência Pré-Hospitalar (DIPEPH), coordenado pelo Serviço Municipal de Proteção Civil (SMPC).


Fonte: JN

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________