Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar quer demissão do Conselho Diretivo do INEM - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

domingo, 2 de janeiro de 2022

Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar quer demissão do Conselho Diretivo do INEM

 


O Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar (STEPH) enviou esta sexta-feira um ofício para os gabinetes do primeiro-ministro, da ministra da Saúde e do secretário de Estado da Saúde a exigir a substituição “integral” e “imediata” do Conselho Diretivo do INEM, liderado por Luís Meira.


Em causa está o caso da falta de testagem regular à infeção por SARS-CoV-2 por funcionários do INEM, que contraria a norma da Direção-Geral da Saúde em vigor e que foi revelada na passada quinta-feira pelo presidente do sindicato à Rádio Observador. Segundo explicou Rui Lázaro na altura, os profissionais de saúde ao serviço do INEM, que segundo a legislação em vigor deveriam ser testados com uma regularidade nunca superior a 14 dias, não têm sido submetidos a esse tipo de controlo.


O presidente do STEPH, no ofício agora enviado a António Costa, Marta Temido e Lacerda Sales, lamenta o facto de o INEM não ter respondido às interpelações do sindicato sobre o assunto e acusa o Conselho Diretivo de “faltar à verdade” no comunicado entretanto enviado para as redações, a garantir que a instituição “realiza testagens frequentes, alargadas e dirigidas” aos seus funcionários.


Rui Lázaro recorda ainda o caso da vacinação de funcionários não prioritários do INEM, em janeiro do ano passado, e acusa Luís Meira de, também nessa altura, ter prestado declarações “manifestamente FALSAS e desmascaradas no dia seguinte no próprio Ministério da Saúde”, para reforçar a exigência da sua substituição no cargo.


O sindicalista acusa ainda o Conselho Diretivo do INEM de deliberadamente tentar “ludibriar a tutela, os órgãos de comunicação social e a própria opinião pública”.


Fonte: Observador

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________