Organizações de Bombeiros Reclamam Investimento nos Sapadores da Figueira da Foz - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quinta-feira, 3 de junho de 2021

Organizações de Bombeiros Reclamam Investimento nos Sapadores da Figueira da Foz

 


A Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP) e o Sindicato Nacional de Bombeiros Profissionais (SNBP) reclamaram hoje à Câmara da Figueira da Foz um reforço do investimento no corpo de Bombeiros Sapadores da cidade.


Em comunicado conjunto, estas organizações apelam à autarquia da Figueira da Foz para que “olhe para a sua Companhia de Bombeiros Sapadores com a estratégia e a vontade política necessárias ao reforço do investimento”, tanto ao nível do recrutamento como da aquisição de meios materiais.


Em causa, acrescentam, está a necessidade de “melhorar as condições em que os operacionais desempenham a sua missão de salvar vidas e bens” neste município do distrito de Coimbra, cuja Câmara é presidida por Carlos Monteiro.


A ANBP e o SNBP defendem “uma política, por parte da Câmara Municipal, que consagre a valorização da corporação e dos seus profissionais, dando-lhes os meios indispensáveis ao exercício da sua missão, para um melhor socorro aos cidadãos”.


“A Companhia (…) debate-se há vários anos com a falta de efetivos, dispondo atualmente de apenas 32 bombeiros, com média de idades superior a 40 anos”, referem.


As duas entidades exigem que a Câmara “desenvolva todo o processo concursal para a abertura de uma nova recruta”, a fim de “evitar saídas para ocorrências de socorro com guarnições de viaturas incompletas que comprometem o socorro e a segurança dos bombeiros”.


A unidade, segundo a nota, enfrenta também “falta de meios materiais, os quais são indispensáveis não só para a intervenção adequada no teatro de operações, mas sobretudo na proteção e segurança dos próprios bombeiros”.


Como “exemplos da falta de investimento”, é referido “o equipamento de proteção individual (EPI) obsoleto e desgastado, nomeadamente o de combate em incêndios florestais”, a que se juntam “peças faciais (máscaras) já com mais de 20 anos de uso, utilizadas no combate em incêndios urbanos e industriais”.


A ANBP e o SNBP alertam ainda para a “necessidade de veículo escada para o combate em incêndios urbanos e industriais, tal como se constatou no passado dia 28 de abril, no incêndio urbano em oficinas, tendo sido solicitados veículos escadas a corporações de concelhos vizinhos” da Figueira da Foz.


Fonte: Noticias de Coimbra

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________