COVID-19 | INEM Atualiza Orientações Técnicas para Profissionais de Emergência Hospitalar - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

terça-feira, 11 de maio de 2021

COVID-19 | INEM Atualiza Orientações Técnicas para Profissionais de Emergência Hospitalar

 


O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), através do seu Departamento de Emergência Médica, atualizou no passado dia 29 de abril duas das Orientações Técnicas referentes aos procedimentos a adotar no terreno pelos agentes do Sistema Integrado de Emergência Médica, no contexto da abordagem a doentes com suspeita ou infeção por SARS-CoV-2.

 

Orientação Técnica nr. 05/2020 | Estratégia de vigilância epidemiológica
Esclarece e tipifica estratégias no âmbito da vigilância epidemiológica, sedimentada em boas práticas e baseada no conhecimento científico atual, enquadrando-se esta sua aplicação, no específico contexto onde os diferentes intervenientes promovem a sua atividade.

 

Orientação Técnica nr. 08/2020 | Abordagem do doente com suspeita ou infeção por SARS-CoV-2
Visa garantir a adaptação da resposta dos paceiros do SIEM – Equipas de Postos de Emergência Médica, Reservas INEM e meios Não INEM, de acordo com a Norma 15/2020 de 24/07/2020 atualizada a 19/02/2021 da Direção-Geral da Saúde (DGS).

 

Todas as orientações técnicas relacionadas à abordagem do doente com suspeita ou infeção por SARS-CoV-2, incluindo em situações de paragem cardiorrespiratória (PCR), podem ser encontradas no site do INEM, no menu de rodapé Documentação > COVID-19 | Orientações Técnicas.

 

Enquanto responsável pelo SIEM, o INEM reforça a necessidade imperiosa do cumprimento, por parte de todos os profissionais, das medidas de proteção e contenção da disseminação da doença COVID-19. Acresce a importância da manutenção da atividade assistencial das doenças não-COVID-19, salvaguardando o risco de contágio, assim como as boas práticas da atividade assistencial.

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________