"A Crónica da Ariana": O 25 de Abril Não Foi para Todos - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

domingo, 25 de abril de 2021

"A Crónica da Ariana": O 25 de Abril Não Foi para Todos

 


25 de Abril, Sempre! (Viva!)


Agora numa nota mais séria, tem o seu quê de piada que as celebrações do tão famoso e importante “Dia da Liberdade“ tenham sido suspensas, considerando os tempos em que vivemos (e não, não estou a falar só de COVID).


Mas nem tudo são desgraças neste nosso cantinho à beira mar plantado. A vida retorna à normalidade, aos poucos. Já todos podemos desfrutar de uma refeição num qualquer espaço comercial dedicado a isso e, com um bocado de semicerrar os olhos, imaginar como se nada disto tivesse acontecido. Isto é, até àquela tosse aparecer assim do nada…


Quanto à malta tanto do Pré-hospitalar como dos hospitais, muito pouco muda, só não levámos com aqueles olhares estranhos quando formos buscar o almoço às 16h30. Aliás, muito vai mudar, com a quantidade de tempo que a malta esteve enfiada em casa, vai tudo a correr para as urgências, com a sua panóplia de maleitas, que certamente são tão mais graves há quanto mais tempo importunam o seu portador e que, obviamente, justificam activação de CODU pelas 3h47 (toda a gente sabe que de noite é mais rápido ser visto).


No dia em que se festeja a liberdade penso e volto a pensar  na falta dela no mundo dos bombeiros (para alguns ) e no excesso dela para outros , neste cantinho à beira mar plantado  ainda fala quem pode e obedece quem deve  de norte a sul vamos tentando o nosso melhor a cada turno (profissional) e  a cada piquete (voluntário).


 Numa classe já à muito vagueia " Sem Rei nem Roque " onde onde o mérito é empurrado para debaixo do tapete quando incomoda aqueles que fazem da antiguidade posto , posto esse que em nada enaltece nem trás luz mas que vai permanecendo esmagando a liberdade dos que querem fazer melhor .


Não esquecer que os pirómanos estão há tempo demais sem mandar sequer umas brasas para o quintal do vizinho. Por isso preparem-se para a abertura prematura da época de incêndios.


Tem a sua piada que no dia da liberdade, não há liberdade para celebrar, mas para nós, bombeiros, vai estar tudo a arder. Quer figurativa, quer literalmente. Ou, como nós gostamos de lhe chamar, um domingo normal.


Ariana Ribeiro

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________