Sindicato Critica Vacinas a Empregadas e Seguranças do INEM/Norte - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2021

Sindicato Critica Vacinas a Empregadas e Seguranças do INEM/Norte

 


O Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar (STEP) criticou hoje a vacinação contra a covid-19 de pessoas que trabalham no INEM, como empregadas de limpeza e vigilantes, de empresas privadas, e de outros profissionais deste organismo, não prioritários.


Em declarações à agência Lusa, o vice-presidente do STEP diz que foram vacinados mais do que os 11 funcionários de uma pastelaria do Porto alegadamente para não desperdiçar doses sobrantes, denunciando que também foram vacinados empregadas de limpeza e vigilantes de empresas privadas que prestam serviço na delegação regional Norte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).


Rui Lázaro critica o facto de outros funcionários do INEM, "que, não sendo prioritários, também receberam a vacina" contra a covid-19, situação que se verificou um pouco por todo o país.


Sobre a nomeação, na quarta-feira, de António Táboas para substituir temporariamente António Barbosa, que se demitiu do cargo de responsável do INEM-Norte, após assumir que autorizou a vacinação das pessoas que trabalham na pastelaria próxima da delegação, o STEP considera-a "estranha" e diz que "não faz sentido".


O vice-presidente do STEP conta que António Táboas foi diretor regional no início do mandato deste Conselho Diretivo (CD) do INEM, em funções há cerca de cinco anos, e que, depois de se incompatibilizar com o CD, cessou funções.


"Foi tão urgente a sua substituição que, durante meses, a diretora regional do Centro [do INEM] acumulou a direção das duas direções regionais: Centro e Norte. Muito nos estranha agora que tenha sido outra vez nomeado diretor regional Norte. Não servia e agora já passou a servir? Se já esteve na função e foi substituído, não faz sentido nenhum ser novamente nomeado, ainda por cima pelo mesmo Conselho Diretivo", defende Rui Lázaro.


Para o sindicalista, esta situação "é o reflexo do que se tem passado nos últimos anos", com a "continuidade do mau trabalho" que este CD tem vindo a desenvolver, quando "tira [dirigentes] de um lado e vão rodando por departamentos".


Neste mandato, que ainda não completou cinco anos, o vice-presidente do STEP diz que "é a quarta vez que o Conselho Diretivo do INEM muda a direção regional do Norte", o que "revela, por si só, a incompetência para a escolha de um responsável para esta direção regional".


Para o dirigente sindical este tipo de decisões "é o reflexo do desnorte que este CD do INEM está a demonstrar" e que, segundo o vice-presidente do STEP, "já não é de agora e se tem vindo a evidenciar, cada vez mais".


O STEP defende a demissão do atual CD do INEM, presidido por Luís Meira.


"Isto tem reflexos na gestão da frota, na incompetência de concluir a formação dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar. A formação destes técnicos devia estar concluída desde 2016, estamos em 2021 e ainda não existe um que tenha a formação concluída", denuncia o sindicalista.


Segundo o dirigente do STEP, se estes profissionais tivessem esta formação, poderiam ter ajudado a reduzir a acumulação de ambulâncias à porta dos hospitais, pois teriam a competência "para retirar, desviar muitos doentes das urgências".


Quanto à alegada concordância de António Táboas com a decisão do anterior responsável pelo INEM/Norte, António Barbosa, em administrar vacinas aos 11 funcionários da pastelaria, noticiada pelo Observador, o vice-presidente do STEP desconhece, mas acredita que isso se vai apurar no inquérito em curso, a cargo da Inspeção-Geral das Atividades em Saúde.


A Lusa contactou António Táboas e o INEM sobre esta situação em concreto, mas ambos recusaram fazer comentários, com a justificação de que está em curso um inquérito.


Desde março de 2020, Portugal já registou 13.740 mortes associadas à covid-19 e 755.774 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, estando hoje ativos 156.758 casos, menos 4.684 do que na quinta-feira.


Fonte: Noticias ao Minuto

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________