Bombeiros de Almoçageme Recusam Vacinação - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2021

Bombeiros de Almoçageme Recusam Vacinação

 


A Corporação de Bombeiros de Almoçageme, em Sintra, avançou que só irá proceder com a vacinação quando a totalidade dos Bombeiros do Quadro Ativo estiverem contemplados no plano.


O processo de vacinação de bombeiros começou na passada segunda-feira e nesta fase está apenas prevista a vacinação de 50% dos efetivos. Contactado pelo i, o Presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, Jaime Marta Soares, afirma que não tem “dúvidas nenhumas que é vontade do Governo vacinar todos os bombeiros”. No entanto, pede compreensão e paciência, lembrando que existem também funcionários de lares e pessoas idosas que ainda não foram vacinadas devido à escassez de vacinas.


Marta Soares defende “que sejam todos vacinados o mais rapidamente possível” e, “não pondo em causa a razão que têm”, apela a que os bombeiros se lembrem da solidariedade que sempre os caracterizou e continuem a “pôr a vida do outro homem nosso irmão à frente da nossa vida”. Também a Federação dos Bombeiros de Leiria já tinha mostrado o seu descontentamento em relação a este assunto, afirmando que se encontram “perante  uma decisão que, além de minimizar os bombeiros relativamente a outros agentes, vem também perturbar o normal funcionamento dos corpos de bombeiros, colocando os seus comandantes no centro do odioso da questão ao terem de designar 50% dos seus efetivos para efeitos de vacinação covid-19”.


Numa altura em que ainda não existe uma quantidade de vacinas suficientes, a Federação dos Bombeiros de Leiria afirma que “devem ser priorizados os bombeiros com maior risco/vulnerabilidade de contrair a infeção por SARS-CoV-2” em vez de essa seleção ser feita pelos próprios comandantes, sendo que isso “é das coisas mais dramáticas que se pode fazer”.


Fonte: Jornal Sol

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________