Equipas Especializadas COVID? Assim Não Obrigado! - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

sexta-feira, 13 de novembro de 2020

Equipas Especializadas COVID? Assim Não Obrigado!

 


Relativamente à constituição de equipas especializadas para resposta à situação pandémica denota-se mais uma vez que a ANEPC corre atrás do prejuízo pois volvidos 8 meses de pandemia continua-se a reagir, ao invés de planear, não apoiando correta e devidamente aqueles que na sua maioria silenciosa vão evitando o colapso do sistema integrado de emergência médica.


Refira-se a este propósito que a ANEPC nunca teve e continua a não ter a capacidade de distribuir EPI`s necessários e suficientes para que cada corpo de bombeiros possa cumprir as suas missões no âmbito da pandemia em condições de segurança.


Assim torna-se completamente absurdo promover a constituição de equipas sem lhes garantir previamente as condições para o cumprimento da missão, usando a velha máxima de que se está a “construir a casa pelo telhado”.


Por outro lado, continua a ANEPC a esconder, por conveniência, as condições em que essas equipas vão prestar serviço dado que a revisão do Plano de Operações Nacional para o Coronavirus (COVID19) ocorrida a 4 de novembro ainda não chegou às Associações / Corpos de Bombeiros, porque será?


Esse plano prevê a criação das equipas especializadas que pressupõe a afetação permanente de uma ambulância de socorro e respetiva tripulação por 1.77€ a hora (Relembre-se para ressarcir a disponibilidade de uma ambulância de socorro e dois elementos)


O INEM enquanto entidade técnica de coordenação do SIEM mantém a ativação dos meios devendo estas equipas constituir-se como dispositivo de reserva para situações em que se verifique o esgotamento dos restantes meios. Ora sabendo que o INEM não tem mãos a medir que meios acham que vão ser acionados pelo CDOS a pedido do INEM?


Pior, o acionamento também poderá ocorrer pelas Administrações Regionais de Saúde / Unidades Hospitalares devendo estas assumir o ressarcimento conforme procedimento em vigor, que é, relembre-se, 0.51 cêntimos o KM.


Se por motivo da pandemia um qualquer corpo de bombeiros fique inoperativo estas equipas serão ativadas para lá prestarem serviço.


O Comando Nacional deveria proceder á difusão do plano pelas entidades visadas. Porque é que ainda não o fez até agora?


Continua a ANEPC a ludibriar as Associações e Corpos de Bombeiros pois bastará olhar para as taxas de saída de ambulâncias praticadas em cada unidade e para os custos decorrentes com a aquisição de EPI`s para DIZER NÃO OBRIGADO!


ALGUÉM EM BOA VERDADE ACREDITA QUE ESTAS AMBULANCIAS NÃO VÃO SER REQUISITADAS PELOS HOSPITAIS, INEM, E CDOS E QUE VÃO FICAR PARADAS NOS QUARTEIS?


ASSIM NÃO!


(Um Comandante que não aceita "presentes envenenados" 

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________