Bombeiros de Valença Forçados a Recusar Transporte de Doentes Devido à Falta de Elementos - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Bombeiros de Valença Forçados a Recusar Transporte de Doentes Devido à Falta de Elementos

 


A falta de elementos para reforçar o corpo ativo dos Bombeiros Voluntários de Valença já forçou a corporação a recusar serviços, principalmente ao nível de transporte de doentes. A notícia é avançada pelo jornal Correio do Minho, que aponta a falta de bombeiros como um dos principais problemas que a corporação valenciana enfrenta numa altura em que celebra os 101 anos de existência.


“A falta de reforço do corpo activo já tem condicionado a nossa acção, principalmente no transporte de doentes. Já tivemos que declinar serviços”, disse ao Correio do Minho o presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Valença (AHBVV), Fernando Oliveira.


No entanto, assegurou o responsável, o socorro às populações nunca esteve em causa. “Ao nível do socorro, os serviços do INEM estão garantidos. Nós funcionamos em rede com o CODU (Centro de Orientação de Doentes Urgentes) e quando nós não podemos ir a um serviço, avança outra das corporações mais próximas. Muitas vezes vamos nós prestar socorro fora do nosso concelho”, afirmou.


Mas no quartel há mais necessidades. Sonha-se com a reparação da auto-escada e ainda com a aquisição de um novo auto-tanque. Ainda de acordo com o Correio do Minho, a auto-escada tem necessidade de peças novas, como por exemplo, basculantes (que facilitam a elevação da mesma) mas a manutenção fica muito cara.


“Já fizemos diligências junto da Comunidade Intermunicipal do Alto Minho para ver se conseguimos financiamentos para esse equipamento, porque nós não temos dinheiro. Precisa de basculantes e nova custa mais de 30 mil euros”, disse ainda Fernando Oliveira ao Correio do Minho.


 


Município ajuda… mas se todos ajudarem

 


Em setembro do ano passado, recorde-se, o presidente da Câmara de Valença já tinha referido à Rádio Vale do Minho que “o Município está solidário e sensível” às adversidades que os Bombeiros Voluntários locais enfrentam com uma autoescada parada há mais de oito anos. O equipamento está inoperacional e a corporação não tem verbas suficientes para o conserto.


São necessários cerca de 30 mil euros para o arranjo de uma autoescada com características únicas em todo o distrito e que vinha servindo todo o Alto Minho até ao dia em que avariou.


“Esta autoescada não serve apenas o Município de Valença! É também altura dos outros Municípios do distrito também se empenhem em reparar um bem que é comum a todos”, sublinhou Manuel Lopes.


Fonte: Radio Vale do Minho

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________