Presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses: "Humberto Brito não é o dono do município" - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

segunda-feira, 20 de julho de 2020

Presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses: "Humberto Brito não é o dono do município"


O presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses considera que Humberto Brito se precipitou nas acusações aos Bombeiros Voluntários de Paços de Ferreira, ao defender que as declarações foram de “mau gosto e inaceitáveis”. Numa entrevista concedida ao EMISSOR, Jaime Marta Soares referiu ainda que o autarca pacense “não é o dono do município”.

Enquanto presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, como está a gerir a polémica entre a Câmara Municipal e os Bombeiros Voluntários de Paços de Ferreira?

Os bombeiros são entidades que têm estado desde a primeira hora na linha da frente contra o coronavírus. O presidente de Câmara é o responsável político de um determinado espaço geográfico que representa o município e que deve manter o bom relacionamento com todas as instituições, mas principalmente com os bombeiros, que são um parceiro essencial para o funcionamento de qualquer comunidade.

Ora, os bombeiros, dentro das suas missões, têm o direito de chamar a atenção de coisas que pareçam mal e que podem colocar em risco as populações e a ele próprio [presidente da Câmara Municipal]. Os bombeiros chamaram a atenção para uma situação em que o presidente da Câmara tem de ser o exemplo, porque os exemplos devem vir de cima. 

O senhor Presidente da Câmara disse publicamente que estava infetado com o coronavírus, depois teve uma situação de emergência com o seu próprio pai, e a seguir teve um deslize que deveria ter evitado, porque, como já disse, os exemplos vêm de cima. Sabemos que foi uma questão familiar, mas, depois disso, reagir contra uma chamada de atenção dos bombeiros, feita de boa-fé e com toda a razão, é uma atitude de mau gosto e inaceitável por parte do senhor Presidente. 

Por isso, só posso estar ao lado dos Bombeiros de Paços de Ferreira. Poderia não estar, poderia criticar se entendesse que os Bombeiros procederam mal, mas os Bombeiros procederam como deveria ser, dentro das regras, dentro das normas, que é prevenir o que deve ser prevenido.

O Presidente não podia reagir daquela forma e penso que não foi da melhor forma. E depois querer atirar para cima dos outros a sua própria culpa, não fica bem a um presidente da Câmara.

O presidente da Câmara Municipal afirmou o seguinte: “Na política não pode valer tudo. E o que elementos dos bombeiros de P[aços] F[erreira] estão a querer fazer comigo é de uma baixeza inacreditável”. Que comentário lhe merece esta afirmação?

Os bombeiros não entram em guerrilhas político-partidárias. Às vezes são faits divers para se arranjar desculpas de mau pagador, mas nessa área não me meto nem dou opinião sobre isso. O que sei é que os bombeiros não misturam a sua função de defender vidas com qualquer guerrinha político-partidária.

Teme que possam existir retaliações neste processo?

Se acontecer será grave, porque o presidente da Câmara é o gestor do município, mas não é o dono do município. Tem que fazer as políticas necessárias para o bem-estar das populações. Os bombeiros são um parceiro essencial para o bem-estar e se sofrer retaliações não parece que seja um papel que identifica uma postura que tenha de manter um presidente de Câmara.

O Presidente da Câmara poderia quebrar o isolamento assim que soube do teste negativo à COVID-19?

Essa é uma área da Direção-Geral de Saúde e não me compete falar, mas, se assim aconteceu, o Presidente podia ter feito um comunicado à população a dizer que já estava em condições de poder estar junto das populações, mas não o fez.

Fonte: Emissor.pt

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________