Homem Morre Afogado no Cávado depois de Salvar Duas Pessoas - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

sexta-feira, 17 de julho de 2020

Homem Morre Afogado no Cávado depois de Salvar Duas Pessoas


Um homem na casa dos 30 anos morreu afogado no rio Cávado, em Esposende.

"O meu sobrinho ainda o tentou salvar, mas já não conseguiu", contou, ao JN, Guilherme Ximenes, ainda em choque. O dia em família acabou, esta quinta-feira, em tragédia na praia fluvial do Marachão, em Esposende: um morto, três feridos, um dos quais a inspirar cuidados. Augusto Monteiro morreu afogado. O corpo só foi encontrado quase duas horas depois, perante o desespero das largas dezenas de familiares que ali se juntaram. O jovem, residente na Póvoa de Varzim, deixa três filhos pequenos.

Estava com dois primos na água. Todos os julgavam a brincar, até que o sobrinho de Guilherme Ximenes percebeu que a aflição era real. Atirou-se à água. Ainda tirou de lá um. Voltou, mas já não conseguiu encontrar Augusto Monteiro. O outro primo haveria de conseguir sair, a custo, mas pelo próprio pé.

No quartel dos Bombeiros de Fão o alerta caiu às 17.40 horas. À chegada ao local, explicou o comandante João Morais, um dos feridos, de 25 anos, "estava em estado de pré-afogamento", os outros dois - entre os quais o sobrinho de Guilherme - sofreram apenas ferimentos ligeiros. Augusto Monteiro estava desaparecido.

Para o local foi mobilizada uma equipa de mergulhadores de Fão e Esposende, que só quase duas horas depois haveria de conseguir localizar o jovem. Foi transportado em manobras de reanimação para o Hospital de Barcelos, onde haveria de ser declarado o óbito.

"Estavam num acampamento de família", contou ainda João Morais, explicando que naquela zona do rio Cávado, apesar de muito frequentada, "os banhos são desaconselhados" e "não há qualquer vigilância".

No local estiveram 48 homens e 23 viaturas dos bombeiros de Fão, Esposende, Barcelinhos e Barcelos, do ISN e do INEM, bem como a GNR que, por força do enorme aglomerado de pessoas, foi obrigada a reforçar o dispositivo com elementos de Barcelos e Braga.

Fonte: JN

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________