Suspeita de Covid-19 Faz Parar Socorro - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

terça-feira, 30 de junho de 2020

Suspeita de Covid-19 Faz Parar Socorro


O Centro de Meios Aéreos (CMA) de Santa Comba Dão permaneceu inoperacional durante 24 horas porque um dos militares da GNR que integra a Unidade de Emergência de Proteção e Socorro (UEPS) esteve, num período fora de serviço, em contacto com uma pessoa infetada com Covid-19. E, por esse motivo, “o comandante operacional distrital de Viseu, Miguel Ângelo, decidiu encerrar a base”, explicou esta segunda-feira ao CM o tenente-coronel Pedro Rosa, oficial de relações-públicas da UEPS.

Ao final da tarde de quinta-feira, o militar, que faz parte da equipa de ataque inicial aos incêndios florestais, cuja fase crítica agora se aproxima, informou que tinha estado em contacto com alguém que havia testado positivo à Covid-19. De imediato foi ativado o plano de contingência e contactadas as autoridades de Saúde. Os cinco militares que integram a equipa foram testados, bem como o piloto do helicóptero. Todos deram negativo para Covid-19, mas receberam indicação para fazerem a quarentena em casa.

Ainda durante a sexta-feira toda a base “foi alvo de uma ação de descontaminação por elementos especializados da GNR”, complementou ainda o tenente-coronel Pedro Rosa.

Já com as condições de higiene asseguradas, o CMA voltou a abrir portas às 08h00 de sábado. Ou seja, durante 24 horas, e segundo apurou o CM, a equipa de ataque inicial a incêndios não esteve disponível para qualquer emergência.

Já o oficial de relações-públicas da UEPS garante que “o efetivo foi substituído no local”. Segundo fonte da Proteção Civil de Viseu, “a decisão de encerrar a base foi tomada por questões de segurança”. Sobre a substituição do efetivo, a mesma fonte não apresentou qualquer comentário.

Fonte: Correio da Manhã

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________