Bombeiro Detido pela PJ em 2019 Acusado da Autoria de 18 Incêndios Florestais - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quarta-feira, 17 de junho de 2020

Bombeiro Detido pela PJ em 2019 Acusado da Autoria de 18 Incêndios Florestais


O Ministério Público de Bragança deduziu acusação contra um bombeiro voluntário em Alfândega da Fé, imputando-lhe a prática de 18 crimes de incêndio florestal.

A acusação considera indiciado que o arguido, de 39 anos, que exercia, em 2019, funções de chefia, decidiu atear incêndios a terrenos florestais e agrícolas, sabendo que seriam combatidos pela corporação de bombeiros de que fazia parte, para poder evidenciar-se nesse combate, eventualmente progredindo hierarquicamente.

Segundo a mesma nota divulgada pela Procuradoria Distrital do Porto de 14 de maio e 2 de setembro de 2019, o arguido "deu causa a dezoito incêndios florestais em diversos locais do concelho de Alfândega da Fé, provocando prejuízos nunca inferiores a €270 000, dos quais pelo menos €74 826,32 relativos às despesas com dispositivo e meios de combate às chamas, suportadas pela Autoridade Nacional de Proteção Civil".

Além disso, refere a acusação, o suspeito usou para atear as chamas engenhos incendiários de combustão lenta, alguns dos quais providos de cogumelos secos, de origem vegetal, e enxofre. O bombeiro acabou por ser detido pela Polícia Judiciária a 18 de setembro, depois de várias investigações realizadas pelos inspetores do departamento de investigação criminal de Vila Real, que na altura apontavam para focos de incêndio que teriam consumido cerca de 110 hectares de área de mancha florestal.

O arguido encontra-se sujeito à medida de obrigação de permanência na habitação, com vigilância eletrónica.

Fonte: JN

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________