Letícia Teve Pressa e Nasceu na Ambulância dos Bombeiros de Santo Tirso - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

sexta-feira, 15 de maio de 2020

Letícia Teve Pressa e Nasceu na Ambulância dos Bombeiros de Santo Tirso


Uma ambulância dos Bombeiros Voluntários de Santo Tirso foi a sala de partos para a mãe da bebé Letícia.

"Foi tudo muito, muito rápido", conta o bombeiro Pedro, que, na madrugada de quinta-feira, dividiu com o colega Rúben a "felicidade" de fazer o parto da pequena Letícia na ambulância dos Bombeiros Voluntários de Santo Tirso.

O alerta tinha chegado ao quartel pelas 4.20 horas, "para uma situação de gravidez, mas não de parto iminente: a senhora apenas tinha dores", recorda ao JN Pedro Matos, que acabaria por viver a "segunda experiência de fazer um parto fora de ambiente hospitalar". Para Rúben Martins, seria a estreia, experimentada com "emoção" e algum "nervoso miudinho".

Tudo se precipita já no interior da ambulância, quando a jovem de 29 anos sente a primeira contração. A equipa recebe a indicação do INEM para efetuar o transporte para o Hospital de Famalicão e arranca da aldeia de Redundo, em Monte Córdova, "devagar, porque a estrada é em paralelo e com buracos", descreve Rúben, 29 anos e bombeiro há seis.

Mas teriam de parar minutos depois e pedir ajuda diferenciada: a frequência das contrações tinha aumentado e o parto teria de ser feito ali mesmo. "Quando a VMER [viatura médica] chegou, a cabeça da criança já estava pronta a sair. A equipa da VMER mal teve tempo para se equipar. Foi muito rápido", conta.

Letícia "nasceu por volta das 5.18 horas, mesmo em frente à igreja de Monte Córdova". "Correu tudo muito bem", congratulam-se os bombeiros, que transportaram de seguida a mãe e a bebé para o hospital, com o acompanhamento do INEM.

"É uma alegria e é sempre uma coisa boa. Ao menos, para tirar um pouco da cabeça a covid, que é a maior parte das situações que temos tido. Quando chamam os bombeiros, é porque alguém não está bem, e esta situação acaba por ter o tom da felicidade no fim", diz Pedro Matos, que tem 30 anos e está nos Bombeiros há 17.

Fonte: JN

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________