Falta voluntários nos bombeiros, lamenta comandante da corporação de Vila Franca - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

terça-feira, 5 de maio de 2020

Falta voluntários nos bombeiros, lamenta comandante da corporação de Vila Franca


Uma das maiores dificuldades que os bombeiros enfrentam atualmente é a falta de voluntários. A afirmação é do comandante da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vila Franca do Campo, na ilha de São Miguel, que falava, à Atlântida, em pleno Dia Internacional do Bombeiro.

Neste sentido, José Roberto Ventura defende a necessidade de incentivar os jovens a ingressar nos bombeiros.

Quanto a apoios, o responsável alega que esta área diz respeito às direções das corporações, frisando, no entanto, que “estas se duplicam em esforços para manter as associações abertas”. José Roberto Ventura discorda de um “auto sustento”, pois “cada um tem de criar e conseguir formas de financiar os corpos de bombeiros”. O responsável revela que os serviços de transporte não urgente e o transporte de doentes urgentes são as duas formas que “garantem maiores condições financeiras de cada associação”.

Por outro lado, e face à atual pandemia, José Roberto Ventura refere que o maior desafio dos bombeiros tem a ver com a alteração diária do funcionamento das corporações, explicando que foi criado um plano de contingência, reduzindo ao máximo o número de bombeiros no quartel, de forma a evitar a propagação do vírus, houve uma maior higienização das viaturas e do quartel, bem como um maior cuidado no procedimento de proteção individual, quer dos soldados da paz, quer dos doentes, salientando que tem havido “muita responsabilidade e muitos cuidados”.

Questionado se foi necessário surgir este surto para a população dar mais valor aos bombeiros, o responsável afirma que “não”.

Relativamente ao Dia Internacional do Bombeiro, José Roberto Ventura afirma que é uma data importante, salientando que os “bombeiros sempre prestaram socorro às populações e é uma forma de realçar a sua existência”.

O comandante dos bombeiros vilafranquenses deixou uma mensagem a todos os colegas, aconselhando a que se mantenham “firmes nos seus projetos ao nível das suas corporações” e que se “dediquem, dentro das suas possibilidades, a esta causa”. Deixou, ainda, uma palavra de agradecimento a todas as famílias dos soldados da paz, frisando que, muitas vezes, esquecem esta parte, mas “as famílias fazem um grande sacrifício para que os bombeiros estejam disponíveis e possam prestar socorro quando é necessário, principalmente quando se fala de voluntários”.

“Deixamos tudo, deixamos a nossa família em prol desta causa, que são os bombeiros portugueses”, conclui José Roberto Ventura.

Fonte: Rádio Atlântida

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________