Comandante dos Bombeiros Voluntários de Viana do Castelo Demite-se por Ser "Maltratado" - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

segunda-feira, 6 de abril de 2020

Comandante dos Bombeiros Voluntários de Viana do Castelo Demite-se por Ser "Maltratado"


O comandante dos Bombeiros Voluntários de Viana do Castelo disse à Lusa que apresentou hoje a demissão do cargo que ocupava há 25 anos por "nunca ter sido tão maltratado por uma direção" como pela atual.

"Estou nos bombeiros há 45 anos. Como comandante há 25 anos e nunca eu como os meus colegas do comando fomos tão maltratados por uma direção", disse à Lusa Cândido Carvalho.

Em resposta escrita a um pedido de esclarecimento enviado pela Lusa, Cândido de Carvalho adiantou que "desde o primeiro dia após a tomada de posse" a atual direção "reuniu-se com funcionários, bombeiros e até com pessoas que não estavam no ativo, porque tinham sido postos fora da corporação por incumprimento, e fez suposições e acusações contra o comando, cujo trabalho mal conhecia ".

"A partir daí, logo nos apercebemos quais eram os seus propósitos, afastar o comando", referiu.

Contactado perla Lusa, o presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Viana do Castelo, José Salgado, disse ter recebido o pedido de demissão do comandante, que será analisado na terça-feira, em reunião da direção.

Questionado sobre as razões que motivaram o pedido de demissão, José Salgado, que é também presidente da direção da corporação, escusou-se a adiantar pormenores, referindo apenas que o comandante terá alegado "algum desalento com a direção".

"Tenho de conversar com ele. Não sei se foi só um disparo que ele deu, mas temos de conversar e a direção tem de reunir para tomar uma posição sobre o assunto", disse José Salgado, que afirmou que "não estava à espera" da posição assumida pelo comandante.

"Reconheço que o momento é difícil porque há muita atividade e muita falta de dinheiro", disse, rejeitando a existência de salários em atraso: "Para já não há. Já equacionámos o recurso aos meios que nos estão a ser facultados pela lei, mas só iremos fazer isso em último recurso".

O presidente da associação humanitária e da direção dos bombeiros acrescentou que "a estrutura hierárquica está a funcionar e o segundo comandante, Paulo Rodrigues, assume o comando da corporação até a situação estar resolvida".

Fundados em 1881, os Bombeiros Voluntários de Viana são das mais antigas corporações do país e contam com uma estrutura constituída por mais de 20 profissionais e cerca de 95 bombeiros.

José Salgado admitiu que, devido à pandemia de covid-19, a "situação financeira da instituição é difícil e há falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) para os bombeiros", mas garantiu que "a direção tudo tem feito tudo para não deixar faltar nada ao corpo de bombeiros".

"Quem arrancou com a estrutura de combate à covid-19 foi o INEM e a Cruz Vermelha. Só eles é que receberam formação, só eles é que receberam equipamentos de proteção e os bombeiros, pelo menos na nossa área não foram tidos nem achados. O que é certo é que os pedidos de ajuda caem é, sobretudo, nos quartéis de bombeiros. Nós é que arranjamos as condições para os nossos homens não serem contaminados. Não deixam de correr riscos, mas não estão tão expostos quando garantem o socorro às nossas populações", reforçou.

O responsável apontou a "quebra de receitas do serviço de transporte de doentes" para justificar as dificuldades financeira com a instituição se debate.

"Nesta situação aflitiva de pandemia temos feito ver as nossas dificuldades junto da Liga de Bombeiros Portugueses e da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) para que entendam as dificuldades que os bombeiros estão a passar no país todo. Não é essa a razão das questões que possam estar eventualmente a ser invocadas para a demissão", explicou.

Fonte: Correio da Manhã

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________