34 mortos por coronavírus em 24 horas. Há mais 444 infetados - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

sexta-feira, 24 de abril de 2020

34 mortos por coronavírus em 24 horas. Há mais 444 infetados


Morreram 34 pessoas vítimas do coronavírus em Portugal nas últimas 24 horas, um número que reduziu face aos 35 óbitos esta quinta-feira registados. Até ao momento, já morreram 854 pessoas vítimas do vírus em Portugal. 67% dos mortos tem mais de 80 anos.

Relativamente ao número de infetados, o valor voltou a subir, registando-se 444 nas últimas 24 horas e perfazendo um total de 22797 de casos confimados. O número de casos com covid-19 também aumentou para 1228.

O número total de suspeitos são 227393. Há 4377 cidadãos que aguardam resultado laboratorial. Há 1068 pessoas internadas, 188 delas nos cuidados intensivos.

Relativamente aos sintomas mais frequentes, registados pelos 80% de casos confirmados, 50% tem queixas de tosse, 36% de febre, 26% de dores musculares, 24% de cefaleia e 20% de fraqueza generalizada. Em último lugar, com 14% das queixas, registam-se as dificuldades respiratórias.


A conferência da DGS :
António Lacerda Sales, Secretário de Estado da Saúde, afirmou que já foram realizados 317 mil testes ao coronavírus, com uma média de 10.700 testes diários.

"O desconfinamento será um processo gradual para que processo coletivo não tenha sido em vão", afirmou António Sales, reforçando as medidas também esta sexta-feira anunciadas pelo primeiro-ministro, António Costa.

O secretário de Estado avançou ainda que a ajuda aos sem abrigo é essencial para evitar a propagação da doença e de outros casos como hepatites, tendo sido por isso aumentado em 12% o programa de financiamento das equipas que trabalham nestas áreas.

João Goulão, diretor-geral do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD)

Relativamente às populações mais vulneráveis, João Goulão deixa apelo: "Apelamos frequentemente para as medidas de higienização junto desta populações", reforçando que há equipas com jarricãs de água que circulam junto destas populações, sensibilizando-as para as medidas.

João Goulão afirmou ainda que foi estabelecido um protocolo com Fundação Calouste Gulbenkian, numa verba de 300 mil euros, para entidades que trabalham de perto com populações sem abrigo e com dependências, assegurando a continuidade dos cuidados junto das populações.

Linha 1414
"Reforçámos a linha antiga, 1414, para pessoas com problemas de dependências, famílias e profissionais que apoiam estas pessoas".

Curva epidémica
"A nossa curva mantém-se em níveis controlados, mas não são níveis 0 e não tendem para níveis zero", alertou Graça Freitas. "Temos a curva epidémica controlada e a capacidade do SNS de dar resposta aos cidadãos que precisam", continuou.

Graça Freitas volta a reforçar necessidade de desinfeção de superfícies, desinfeção das mãos, etiqueta respiratória de forma a não aumentar a curva, visto que o vírus continua a circular no país, na Europa e no Mundo.

Lares testados
"Portugal está a testar cerca de 30 mil pessoas por milhão de habitante", foi a resposta António Sales e a forma como "fugiu" à questão sobre a testagem ao coronavírus em lares.

Aleitamento
"Tudo indica que, até à data, o aleitamento materno pode ser dado", disse Graça Freitas, avançando que não está comprovado o risco de transmissão. "A matéria está a ser estudada por todo o Mundo. O aleitamento materno versus potenciais riscos do aleitamento materno", rematou.

Testes serológicos
"Os testes serológicos estão a ser feitos em algumas circunstâncias", confirmou a Diretora Geral da Saúde, ou seja, a capacidade das pessoas em criarem anticorpos para resistirem ao vírus.

O Instituto Português do Sangue e da Transplatação participa atualmente em consórcio de ensaio clínico sobre se o plasma de pessoas que estiveram infetadas pode ajudar a tratar pessoas com a doença.
Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus

- Siga ao minuto as últimas sobre a doença
- Mapa da situação em Portugal e no Mundo: veja a evolução da pandemia
- Conselhos sobre o coronavírus no explicador
- Conheça os mitos que deve ignorar sobre a doença

Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24

Fonte: Correio da Manhã

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________