Hospital de Penafiel cria "unidade de apoio" para casos suspeitos - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

terça-feira, 17 de março de 2020

Hospital de Penafiel cria "unidade de apoio" para casos suspeitos


O Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS) está a montar, no exterior da unidade de Penafiel, uma "estrutura de apoio", junto à urgência geral, para atender os casos suspeitos de Covid-19, "para serem validados", disse à Lusa fonte da direção.

Segundo a fonte, será um espaço com cerca de 600 metros quadrados e a sua montagem, que ainda decorre, deve estar concluída nos próximos dias.

"Vão ser criadas duas salas de emergência para que os doentes respiratórios graves sejam abordados apenas numa das salas", explicou.

Referiu, ainda, que a medida ocorre no âmbito do combate à propagação da Covid-19 naquele centro hospitalar, "com o objetivo de garantir a segurança dos utentes, acompanhantes e profissionais de saúde".

Nesse contexto, está também em curso "a suspensão de toda a atividade clínica não urgente, nomeadamente consultas externas, intervenções cirúrgicas, sessões de hospital de dia e meios complementares de diagnóstico e terapêutica, por forma a diminuir significativamente a circulação de pessoas no perímetro do hospital".

Acresce, concluiu, que "o CHTS tem vindo a fazer adaptações de espaços e formação de profissionais para poder reforçar e alargar a sua capacidade de resposta".

O coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, infetou cerca de 170 mil pessoas, das quais 6.850 morreram. Das pessoas infetadas em todo o mundo, mais de 75 mil recuperaram da doença.

O surto começou na China, em dezembro, e espalhou-se por mais de 140 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou hoje número de casos confirmados de infeção para 448, mais 117 do que na segunda-feira, dia em que se registou a primeira morte no país.

Fonte: Noticias ao Minuto

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________