Igreja tem 113 Mil Euros para Dar a Vítimas do Incêndio de Monchique - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

sábado, 4 de janeiro de 2020

Igreja tem 113 Mil Euros para Dar a Vítimas do Incêndio de Monchique


O bispo do Algarve, D. Manuel Quintas, criticou, no final da homília de Ano Novo, em Loulé, que ainda não tenha sido possível aplicar os donativos angariados pela igreja para apoiar as vítimas do incêndio de Monchique, ocorrido em 2018. Atualmente, a Diocese do Algarve tem à sua guarda mais de 113 mil euros.

"Tenho de dar uma justificação a todas as pessoas que contribuíram para esta verba", realçou o bispo do Algarve, citado pelo jornal ‘Folha de Domingo’, que é propriedade da diocese. D. Manuel Quintas disse que "não se percebe" a demora na ajuda.

"Não quero acusar ninguém. Sabemos que isto é muito complicado, que há muita burocracia. É um problema quase maior do que os próprios fogos. É um sofrimento enorme para aquelas pessoas e nós temos esta verba que não sabemos como vai ser", salientou o bispo durante a homília de Ano Novo.

O dinheiro angariado pela igreja seria gerido pela Cáritas e destinado ao equipamento das habitações reconstruídas - o fogo consumiu 52 casas - e para a reposição de material agrícola. O bispo do Algarve manifestou "desencanto" pela forma como o processo se tem desenvolvido, frisando que, "não estando construídas as casas, a Cáritas fica de ‘mãos amarradas’".

O incêndio deflagrou a 3 de agosto de 2018, só tendo sido extinto oito dias depois. Foi consumida uma área de 27 mil hectares, nos concelhos de Monchique, Portimão, Silves e Odemira. O fogo terá tido origem numa linha elétrica.

Fonte: Correio da Manhã

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________