Bombeiro de Coruche que foi Detido com Excesso de Álcool Mantém-se em Funções - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quinta-feira, 2 de janeiro de 2020

Bombeiro de Coruche que foi Detido com Excesso de Álcool Mantém-se em Funções


A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) e a Câmara de Coruche confirmaram esta quinta-feira, 2 de janeiro, o caso do bombeiro dos municipais daquele concelho que foi detido quando conduzia uma ambulância alcoolizado.

O caso remonta à madrugada de domingo, 29 de dezembro, quando o operacional foi detido pela GNR enquanto conduzia uma ambulância em marcha de emergência para um acidente na EN 114, na zona de Santana do Mato, concelho de Coruche.

Quando foi intercetado pelos militares da GNR, o bombeiro acusou uma taxa de álcool no sangue de 1,9 gramas por litro (g/l), um valor acima da taxa igual ou superior a 0,2 g/l permitida para os condutores de veículos de socorro.

O operacional foi detido de imediato e presente posteriormente a tribunal, encontrando-se a aguardar o inquérito judicial em liberdade.

Fonte da Câmara Municipal de Coruche disse à agência Lusa que “o processo está em fase de inquérito” e que o bombeiro em causa, que “tem antecedentes disciplinares”, mantém-se em funções até que seja concluída a investigação.

Também em declarações à Lusa, o presidente da LBP, Jaime Marta Soares, disse que se trata de um caso isolado e defendeu a aplicação das sanções legais e disciplinares.

“No melhor pano cai a nódoa. Efetivamente pode acontecer uma situação destas, mas daquilo que sei, ao longo dos meus muitos anos como bombeiro e como responsável da LBP, são casos muito excecionais”, afirmou à Lusa.

Refira-se que qualquer condutor com uma taxa superior a 1,2 g/l incorre numa pena de prisão até um ano ou multa até 120 dias à taxa que o juiz fixar em função da gravidade e dos rendimentos, penalização que pode ser agravada por se tratar de veículo de socorro em missão de emergência, ficando ainda inibido de conduzir num período que pode ir de três meses a três anos.

Fonte: Rede Regional

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________