Quartel dos Voluntários de Coimbra Pronto Antes do Verão - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

terça-feira, 24 de dezembro de 2019

Quartel dos Voluntários de Coimbra Pronto Antes do Verão


O novo quartel dos Bombeiros Voluntários de Coimbra (BVC) deve estar a funcionar em pleno ainda antes do verão do próximo ano.

A data foi avançada ontem por Henrique Fernandes, presidente da direção da Associação Humanitária dos BVC, aquando da visita de Manuel Machado, presidente da Câmara de Coimbra, com objetivo de assinatura do contrato de financiamento da autarquia (ver texto em baixo).

O edil visitou as obras, ficando a saber, assim como os jornalistas, que “a seguir ao Natal, será colocada a próxima laje e cobertura” do novo quartel da corporação. Segundo Henrique Fernandes, até junho/julho tudo ficará operacional, incluindo a reabilitação do bloco principal do quartel.

Até agora, explicou o presidente da direção, está executado cerca de “15% da obra”, ao contrário dos esperados 20%, num valor de 114.520 euros. Um ligeiro atraso no projeto, “mas perfeitamente recuperável”, garantiu o dirigente, lembrando “alguns problemas encontrados no edifício central”.

Dirigindo-se a Manuel Machado, Henrique Fernandes fez depois “um agradecimento intercalar de grande importância de gestão financeira da obra, que estava tão complicada quanto a parte física”.
O responsável lembrou que a obra foi “interrompida por dificuldades da empresa anterior”, o que levou a “um acréscimo de mais de 100 mil euros. Custos acrescidos e não elegíveis” a fundos europeus. “Felizmente a câmara assumiu esta comparticipação, que subiu em relação ao que estava previsto”, acrescentou.

Henrique Fernandes lembrou a Lei de Murphy – “Até agora, tudo o que podia ter corrido mal correu” –, esperando que tudo se inverta a partir deste momento.

Fonte: Diário As Beiras

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________