Para travar "irresponsabilidades", Gondomar vai cobrar resgates no rio - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

segunda-feira, 23 de dezembro de 2019

Para travar "irresponsabilidades", Gondomar vai cobrar resgates no rio


A Câmara de Gondomar quer que a cobrança do resgate de quatro pessoas que no sábado decidiram atravessar o rio Ferreira de jipe e ficaram com o carro submerso sirva de exemplo para evitar "aventureirismos e irresponsabilidades" futuras.

"O pagamento das operações de resgate deve ser considerado uma atitude pedagógica. O objetivo é, além de custear as horas e o material usado por homens que arriscaram a vida para salvar vidas, usar este caso como exemplo de forma a evitar mais aventureirismos e irresponsabilidades", disse hoje à agência Lusa o presidente da Câmara de Gondomar, Marco Martins.

No sábado, quatro pessoas foram salvas, em Gondomar, no distrito do Porto, quando tentavam atravessar de jipe o rio Ferreira, em São Pedro da Cova.

De acordo com o autarca, "o custo das operações de resgate ainda não foi totalmente apurado, mas deve rondar os 10 mil euros".

"Isto não foi um acidente. Não foi uma pessoa que estava a trabalhar no campo e se viu surpreendida pela subida das águas. Foram pessoas que, por desporto, ignoraram os alertas e o risco. E, os elementos da Proteção Civil - bombeiros, INEM, GNR, entre outros - que os foram salvar arriscaram a vida e tiveram custos", sublinhou Marco Martins.

O autarca descreveu que no local onde se deu a situação o rio tem "cerca de 15 metros de largura" e que na hora da ocorrência "a corrente estava extremamente forte".

A imputação dos custos do resgate às vítimas acontece quando é considerado que houve negligência ou dolo.

Nos casos em que isso não se verifica, é comum serem os seguros das vítimas a pagarem a operação.

No sábado, pelas 14h00, a Proteção Civil registava já desde quarta-feira mais de 9.500 ocorrências devido ao mau tempo.

Os efeitos do mau tempo, que se fazem sentir desde quarta-feira, já provocaram dois mortos e um desaparecido e deixaram 144 pessoas desalojadas e outras 352 deslocadas por precaução, registando-se mais de 11.600 ocorrências, na maioria inundações e quedas de árvores.

O mau tempo, provocado pela depressão Elsa, entre quarta e sexta-feira, a que se juntou no sábado a depressão Fabien, provocou também condicionamentos na circulação rodoviária e ferroviária, bem como danos na rede elétrica, afetando a distribuição de energia a milhares de pessoas, em especial na região Centro.

A Autoridade Nacional de Proteção Civil, num balanço feito hoje às 10h00, disse que o distrito de Coimbra é aquele que ainda causa maior preocupação, apesar de o número de ocorrências ter "baixado significativamente", esperando-se a redução do leito do rio Mondego nos próximos dias.

Fonte: Noticias ao Minuto

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________