Meios de Combate a Incêndios Reduzidos a Partir de Quarta-feira - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

terça-feira, 15 de outubro de 2019

Meios de Combate a Incêndios Reduzidos a Partir de Quarta-feira


Os meios de combate aos fogos florestais vão diminuir a partir de quarta-feira, mas em caso de necessidade serão reforçados em função do risco, segundo o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) deste ano.

Onúmero de meios terrestres e aéreos é reduzido após terminar hoje o nível III de empenhamento operacional, em que estiveram mobilizados, desde o início do mês, 9.279 elementos, 1.972 veículos e 60 aeronaves.

A diretiva operacional que estabelece o DECIR indica que a partir de quarta-feira o empenhamento dos meios de combate vai estar no nível II, passando a estar no terreno as forças de empenhamento permanente e 39 meios aéreos.

Fazem parte das forças de empenhamento permanente os elementos dos corpos de bombeiros, da Unidade de Emergência de Proteção e Socorro (UEPS) da GNR, da Força Especial de Bombeiros e as Equipas e Brigadas de Sapadores Florestais.

O DECIR ressalva que "a avaliação do perigo e do risco determinará o nível de empenhamento adicional de meios".

No âmbito da Rede Nacional de Postos de Vigia, mantêm-se em funcionamento até ao dia 06 de novembro os postos da rede primária, num total de 72.

O último relatório do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) indica que, entre 01 de janeiro e 30 de setembro, ocorreram 10.359 incêndios rurais, mais 16 do que no mesmo período de 2018, de que resultaram em 41.014 hectares de área ardida, mais 375 hectares do que em período idêntico do ano passado.

O relatório provisório adianta que o ano de 2019 apresenta, até 30 de setembro, o terceiro valor mais baixo em número de incêndios e o terceiro valor mais reduzido de área ardida, dos últimos 10 anos, sendo 2014 e 2018 os anos que apresentam dados inferiores.

O ICNF destaca também que setembro foi o mês com o maior número de incêndios rurais (2.458) e julho o que registou maior área ardida este ano (14.035 hectares).

Fonte: Noticias ao Minuto

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________