Reputados Especialistas - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

domingo, 4 de agosto de 2019

Reputados Especialistas


Terminadas as férias estou de regresso ao trabalho. Entretanto retenho na memória algumas notícias que, nas duas semanas de férias que usufrui, marcaram os meus dias, que embora de descanso não dispensam uma permanente ligação ao país e ao mundo, em particular através da leitura de jornais.

Leio tudo, mas são as notícias e os artigos de opinião sobre as temáticas da proteção civil e dos bombeiros que exigem da minha parte uma mais detalhada apreciação e reflexão. Afinal estes são os temas que marcam a minha vida nos últimos 20 anos e continuam a marcar.

Como habitualmente nesta altura do ano, a problemática dos incêndios florestais ocupou a agenda mediática da segunda quinzena de julho.

O principal destaque foi para o incêndio iniciado no princípio da tarde de 20 de julho, em Fundada no município de Vila do Rei e que atingiu Mação, sendo dado como “Em resolução” pelas 13 horas do dia 23 de julho.

Este incêndio fez disparar o tradicional coro de comentadores, de políticos e especialistas encartados, um cenário tantas vezes repetido ao longo dos anos. Convidado com frequência para intervir em órgãos de comunicação social, em especial televisões, para opinar sobre os incêndios de verão, decidi passar a ser seletivo na aceitação dos referidos convites. Não quero alinhar no coro de oportunismo que caracteriza algumas opiniões que poluem o espaço mediático.

Entre as abordagens publicadas recentemente em órgãos de comunicação social sobre este tema, destaco um texto inserido no suplemento satírico O Inimigo Público do jornal Público, de 26 de julho, com o título “Protecção Civil alerta para risco máximo de crónicas nos jornais com o título “É preciso mudar o paradigma da Floresta”.

Transcrevo o referido texto sem nada mais acrescentar, dado que ele dispensa qualquer comentário:
«Para além do agravamento do risco de incêndio rural devido à subida da temperatura, a Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil acaba de emitir um aviso à população a prever o aumento drástico do número de artigos de jornais sobre o assunto do momento.

“Caros cidadãos, muito cuidado com estes cronistas que depois de uns hectares ardidos transformam-se automaticamente em reputados especialistas do mundo rural. Ignoram o assunto o resto do ano, mas chega a esta altura e todos exigem uma seria reflexão da sociedade portuguesa para que se una perante esse enorme desígnio nacional que é salvar o interior do pais da desertificação. 

Esta gente nunca passou um dia no mato, mas tem a solução para todos os problemas. Esta malta é paga a escrever crónicas que são cópias de crónicas que escreveram nos anos anteriores. Passem à frente, ignorem estes palermas oportunistas”.

Duarte Caldeira in Repórter Caldeira 

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________