Proteção Civil "guarda" envio de SMS apenas para "alertas vermelhos" - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

sexta-feira, 2 de agosto de 2019

Proteção Civil "guarda" envio de SMS apenas para "alertas vermelhos"


A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) ainda não enviou qualquer SMS de emergência, este ano, apesar dos incêndios graves que já devastaram milhares de hectares nos concelhos de Mação, Vila de Rei e Sertã, por exemplo. A Proteção Civil garante que tal não aconteceu porque o envio de alertas preventivos por SMS "destina-se a informar as populações quando é declarado o Estado de Alerta Especial de Nível Vermelho", situação que "ainda não se verificou este ano". 

"Durante os estados de alerta especial verificados este ano - amarelo e laranja - têm sido emitidos os Avisos à População difundidos pelos habituais canais de comunicação: página de Internet e redes sociais, comunicados de imprensa divulgados através dos órgãos de comunicação social e a aplicação MAI Mobile", reforçou a ANEPC, citada pela TSF. Diz também o organismo que os 20,5 milhões de SMS de emergência enviados no ano passado também o foram apenas em dias de alerta vermelho.

Apesar desta limitação, nem o decreto de lei de janeiro de 2019, que criou o "Sistema Nacional de Monitorização e Comunicação de Risco, de Alerta Especial e de Aviso à População", nem a resolução do Conselho de Ministros, restringe a aplicação da medida a dias com este grau de perigorisade. Segundo a TSF, o decreto tem uma leitura genérica, enquanto resolução governamental, de outubro de 2017, diz que a "rede automática de avisos à população" se destina a "dias de elevado risco de incêndio", ou seja, dias em que é declarado o "alerta laranja".

Caso esta medida estivesse em vigor há dois anos, os SMS preventivos não teriam sido enviados no dia dos incêndios de Pedrógão Grande, porque as forças operacionais estavam em "alerta amarelo". Pelo contrário, teriam sido enviados antes dos grandes incêndios que devastaram a zona centro a 15 de outubro de 2017. 

De acordo com a mesma rádio, continuam a ser realizados testes ao novo sistema que pretende melhorar a ligação com as operadoras de telecomunicações - o período de testes de 15 dias foi ultrapassado e alargado. Até que o novo sistema esteja em funcionamento, as mensagens de emergência são enviadas com base no modelo de 2018 que deu problemas. 

A Associação de Proteção e Socorro considera que a decisão de enviar SMS apenas em caso de "alerta vermelho" é "muito pouco" e que há "o risco de as pessoas serem apanhadas desprevenidas como aconteceu em 2017. João Paulo Saraiva assumiu que não se pode enviar alertas por qualquer motivo "para não causar descrédito", mas que é preciso agir em mais situações  O presidente  da APS defendeu, ainda, que o sistema que está a ser implementado devia ser mais eficaz e mais eficiente.

Fonte: Correio da Manhã

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________