#E a Amazónia? Pulmão do Planeta Está a Arder e Vê-se do Espaço - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

#E a Amazónia? Pulmão do Planeta Está a Arder e Vê-se do Espaço


A Amazónia está a ser consumida pelo fogo e já perdeu milhares de hectares, que se juntam a muitos mais perdidos com a desflorestação. Desde o início do ano, os incêndios florestais no Brasil aumentaram 83% face a 2018.

“Mataram o rio, mataram as nossas fontes de vida e agora puseram fogo na nossa reserva”. A descrição é de uma mulher indígena, num vídeo que se está a tornar viral nas redes sociais a propósito dos fogos que estão a consumir a Amazónia.

Esta é a altura de queimadas no Brasil e este ano o país enfrenta a pior onda de incêndios em sete anos. Na segunda-feira, a cidade de São Paulo foi coberta por uma forte neblina que tornou o dia em noite.

Segundo a imprensa brasileira, o “céu de chumbo” foi o resultado de uma combinação rara que juntou a chegada de uma frente fria cheia de humidade com a acumulação de partículas geradas pela queima de vegetação e também das queimadas em zonas já desflorestadas, que entram em suspensão e formam uma imensa nuvem, observável até do espaço.

Há mais de duas semanas que as chamas devastam floresta e mato nos estados do Norte do Brasil, incluindo áreas pertencentes à Amazónia (considerada o Pulmão da Terra) e ao Pantanal.

As perdas são imensas.

Num ano, a desflorestação na Amazónia aumentou 88%. Agora, e só em cerca de três semanas, o fogo já consumiu 20 mil hectares de vegetação.

Entre 2000 e 2017, a Amazónia perdeu uma área superior à da Alemanha, ou seja, cerca de 400 mil quilómetros quadrados, revela a BBC Brasil, citando um estudo da Universidade de Oklahoma publicado na revista “Nature Sustainability”.

Entre 1 de janeiro e 18 de agosto deste ano, foram registados quase 71.500 focos de incêndio – um número recorde, comparado com os perto de 40 mil no mesmo período do ano passado e com a última grande onda de incêndios, em 2016, quando se registou 66.622 focos de queimadas durante o mesmo período.

A indignação pelo que está a acontecer à Amazónia alastra nas redes sociais, onde foram criadas várias “hashtags”, como #eaamazonia, #saveAmazonia e #PrayforAmazonas. Em todas se critica o silêncio das autoridades e, em concreto, do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro.

Bolsonaro já reagiu, deixando no ar que por trás dos incêndios poderão estar organizações não-governamentais.

“Nós tirámos dinheiro de ONG, 40% ia para ONGs. Não tem mais. De modo que esse pessoal está sentindo a falta do dinheiro. Então pode, não estou afirmando, ter ação criminosa desses ongueiros para chamar atenção contra minha pessoa, contra o governo do Brasil", afirmou esta quarta-feira.

“Tudo indica” que pessoas se preparam para ir à Amazónia filmar e então "tocaram fogo" na floresta, acrescentou. Mas quando questionado sobre se tinha provas ou indícios das acusações que fazia, o Presidente afirmou que não, porque isso "não tem um plano escrito" e "não é assim que se faz".

O ministro do Ambiente, por seu lado, já afirmou no Twitter que bombeiros e aeronaves “estão integralmente à disposição dos estados e já em uso” para combater os incêndios.

O governo do estado do Amazonas já montou um gabinete de crise. Segundo dados oficiais deste executivo, o número de incêndios florestais aumentou 146% entre 2018 e 2019.

“Dia do Fogo”

O investigador Alberto Setzer explica ao jornal “Estadão” que o clima este ano está mais seco do que o habitual. Contudo, a maior parte dos incêndios tem origem humana.

“Nesta época do ano não há fogo natural. Todas essas queimadas são originadas em atividade humana, seja acidental ou propositada. A culpa não é do clima, ele só cria as condições, mas alguém coloca o fogo”, declarou Setzer.

A imprensa brasileira – e também as redes sociais – apontam ainda o “Dia do Fogo” como um dos fatores que proporcionou o aumento de incêndios nesta altura.

No dia 10 de agosto, numa manifestação de apoio à posição assumida pelo Presidente Bolsonaro face à Alemanha e à Noruega, latifundiários brasileiros cumpriram a promessa de fazer um “dia de fogo” queimando uma área florestal da região de Novo Progresso no estado do Pará.

O resultado foi um aumento de 300% nos focos de incêndio em comparação com o dia anterior, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

O objetivo foi demonstrar que o Brasil é uma nação soberana, que não precisa da Alemanha ou da Noruega para proteger a sua biodiversidade.

Fonte: Renascença

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________