Esperança e risco. Pai e filha bebé morrem a atravessar rio para chegar aos EUA - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

terça-feira, 25 de junho de 2019

Esperança e risco. Pai e filha bebé morrem a atravessar rio para chegar aos EUA


O acordo entre o México e os EUA não travou a vaga de migrantes que tentam alcançar território norte-americano. Uma travessia perigosa, alimentada pela esperança de encontrar melhores condições de vida. Esta segunda-feira, foram encontrados os corpos de pai e filha, que terão morrido quando atravessavam o rio que traça a fronteira.

Segundo as autoridades do México, as duas vítimas são de El Salvador, o homem tinha 25 anos e a filha apenas um ano e 11 meses de idade. Terão morrido afogados durante a travessia do Rio Grande para conseguir chegar aos Estados Unidos.

Em 7 de junho, México e Estados Unidos anunciaram um acordo. Para além do envio de forças policiais e militares para as fronteiras do país, o México comprometeu-se a acelerar o regresso ao país de origem dos migrantes, enquanto o seu pedido de asilo for teoricamente analisado nos Estados Unidos.

No âmbito do acordo, o México deslocou cerca de 15 mil polícias e militares para a fronteira com os Estados Unidos para travar a imigração ilegal, segundo o ministro da Defesa, Luis Cresencio Sandoval. "Entre a Guarda Nacional e membros do exército, existe um envio total de perto de 15 mil homens para o norte do país", declarou o ministro durante uma conferência de imprensa, na segunda-feira, na companhia do presidente Andrés Manuel López Obrador.

Ao ser interrogado sobre a possibilidade de o exército e a Guarda Nacional - que integra militares e polícias federais - não apenas intercetarem migrantes durante a sua travessia em território mexicano, mas também proceder à sua detenção quando tentarem atravessar a fronteira, o ministro confirmou essa disposição.

"Considerando que a migração [clandestina] não é um crime, mas um delito administrativo, vamos detê-los e remetê-los à disposição das autoridades" migratórias, indicou o ministro.

As forças de segurança procedem regularmente a detenções de migrantes clandestinos em território mexicano, mas é raro que ocorram junto à fronteira com os EUA.

O ministro da Defesa mexicano também precisou que 6500 homens foram deslocados para a fronteira sul com a Guatemala, para impedir a passagem de milhares de migrantes da América central que procuram alcançar os Estados Unidos, em fuga da miséria e da violência nos seus países.

No final de maio, o presidente norte-americano Donald Trump ameaçou impor taxas alfandegárias sobre todos os produtos mexicanos importados para os EUA caso o México não adotasse medidas para travar a vaga de migrantes.

Fonte: JN

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________