Portugal Será Assolado por Ondas de Calor. Risco de Incêndio Elevado - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quarta-feira, 22 de maio de 2019

Portugal Será Assolado por Ondas de Calor. Risco de Incêndio Elevado


Um verão com calor intenso em várias partes da Europa é esperado nos próximos meses. A previsão é do portal AccuWeather que aponta Portugal como um dos países com risco mais elevado de incêndio associado a ondas de calor permanentes.

Portugal, tal como Espanha, é, aliás, um dos países que vai estar mais exposto às ondas de calor dos próximos meses. De acordo como o mesmo portal especializado em meteorologia, o calor vai começar a sentir-se de forma mais forte no início de junho na região da Península Ibérica.

Os locais mais quentes em Portugal e Espanha vão atingir os 43 graus durante vários dias seguidos. Durante estes períodos de muito calor, as noites serão especialmente quentes, o que "poderá representar um risco para as casas sem ar condicionado".

Os especialistas deste portal aconselham os residentes a beberem muita água, a procurarem locais com sombra e a usar roupas leves. A realização de atividades no exterior é desaconselhável nos períodos mais quentes.

A ameaça dos fogos

Além do calor, o portal refere ainda o risco elevado de incêndios para Portugal, especialmente na região mais a norte. O inverno húmido que se sentiu, contrastando com o tempo seco e quente que se prevê para junho, são alguns dos fatores que mais contribuem para este risco, uma vez que ajudam ao aumento da vegetação que poderá funcionar como combustível durante os meses mais quentes.

Apesar de se prever pouca humidade durante todos os meses de verão é para a segunda metade do período que se espera um risco mais elevado de fogos florestais.

O JN procurou uma reação junto de fonte do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), mas até ao momento não obteve qualquer resposta.

Fonte: JN

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________