Nova Orgânica da Proteção Civil Reforça Rigor no Uso de Dinheiro Público - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

domingo, 3 de fevereiro de 2019

Nova Orgânica da Proteção Civil Reforça Rigor no Uso de Dinheiro Público


O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, sublinhou este sábado, em Coimbra, que a nova orgânica da Proteção Civil vai reforçar o rigor e a transparência no uso de dinheiros públicos.

A afirmação do ministro surge após a divulgação de um relatório da Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) que aponta para disparidades entre os pedidos de pagamentos sobre o fornecimento de refeições dirigidos à Autoridade Nacional de Proteção Civil pelas corporações de bombeiros e o número de operacionais, referenciados como presentes no teatro de operações na fita do tempo do incêndio que deflagrou nos concelhos da Sertã, Proença-a-Nova e Mação em julho de 2017.

Eduardo Cabrita salientou que a situação mudou em 2018 e que, nesse ano, “esse acompanhamento já ocorreu com bastante mais eficácia”.

“A nova orgânica da Proteção Civil permitirá reforçar a relação com os bombeiros, que são a coluna vertebral do nosso sistema de Proteção Civil, e permitirá também aí ter transparência e rigor na utilização de dinheiros públicos”, disse o ministro.

O governante falava aos jornalistas no final da conferência “Segurança Urbana – Os Municípios e a Proteção do Espaço Público”, que decorreu no Convento São Francisco, em Coimbra.

Sobre a logística no fornecimento de refeições em ocorrências, assegurou que o executivo está a trabalhar “para ter as melhores respostas”.

Questionado sobre as conclusões do relatório que analisou o incêndio que deflagrou na Sertã, Proença-a-Nova e Mação, Eduardo Cabrita realçou que o inquérito conclui “pela necessidade da coordenação [do combate a fogos] a nível regional e que não há incêndios distritais”.

“Só isso permite uma resposta mais capaz. Foi isso que tivemos em 2018 em Cascais e em Monchique. O inquérito mostra que, na reforma da Proteção Civil, estamos no caminho certo e, por isso, nas próximas semanas, iremos concluir esse processo”, afirmou.

A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) admitiu, na sexta-feira, suspender a colaboração com a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) em relação ao fornecimento de refeições aos bombeiros durante o combate aos incêndios, face às conclusões do relatório do IGAI.

Fonte: Jornal Económico 

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________