Número de Incêndios em 2018 foi 44% Inferior à Média da Última Década - VIDA DE BOMBEIRO

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Número de Incêndios em 2018 foi 44% Inferior à Média da Última Década


O número de incêndios florestais este ano registou uma queda de 44% em relação à média dos últimos dez anos, anunciou esta terça-feira o ministro da Administração Interna, prometendo mais esforços de prevenção e limpeza nos próximos meses.

Na Batalha, onde entregou 47 viaturas ao Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente da Guarda Nacional Republicana (GNR), o ministro fez um balanço positivo do combate aos incêndios florestais em 2018.

Este ano houve 44 mil hectares de área ardida, o "que compara com uma média de 140 mil hectares nos últimos dez anos", avançou.

Para Eduardo Cabrita, ter "menos 44% de ocorrências de incêndios florestais" explica-se não porque o ano tenha sido meteorologicamente favorável - "foi dos mais difíceis de sempre" - mas pelo "esforço de todos: dos bombeiros voluntários e profissionais, das estruturas de Protecção Civil, das Forças Armadas, da Força Especial de Bombeiros", mas também pelo "papel decisivo" na sensibilização da limpeza de floresta, de fiscalização e de combate que a GNR desenvolveu.

Este ano, as detenções por incêndios florestais duplicaram relativamente à média dos últimos anos, anunciou o ministro, adiantando que as contra-ordenações registadas triplicaram relativamente a 2017.

"Sobretudo há a consciência pública da comunidade, depois dos bons resultados deste ano, de fazer ainda mais e ainda melhor nos próximos anos. É essa a única homenagem que devemos prestar às vítimas de 2017. Não devemos esquecer, quando aparentemente outros temas parecem ocupar a actualidade", afirmou Eduardo Cabrita.

Os números mais favoráveis ao esforço de combate não deixam, no entanto, o ministro descansado.

"Pelo contrário: exactamente por este tema hoje não estar na actualidade, faremos tudo para que o esforço de prevenção e de limpeza seja ainda mais intensificado nos próximos meses, para que 2019 seja um ano seguro para os portugueses", concluiu.

Fonte: Publico

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________