Maioria dos bombeiros do Porto não está a comunicar dados ao CDOS - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Maioria dos bombeiros do Porto não está a comunicar dados ao CDOS


O presidente da Federação de Bombeiros do Porto disse que 70% das corporações de bombeiros do distrito do Porto (total de 47) aderiram esta segunda-feira à não divulgação de dados ao Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS). 

"Neste momento ronda os 70% as corporações de bombeiros do distrito do Porto que não estão a dar os dados ao CDOS [Comando Distrital de Operação de Socorro], declarou José Miranda, acrescentando que a tendência é "atingir o máximo cerca do meio dia". O Conselho Nacional da Liga dos Bombeiros Voluntários (LBP) aprovou no sábado "por unanimidade e aclamação de pé" suspender toda a informação operacional aos Comandos Distritais de Operações de Socorro (CDOS) a partir das 00h00 de domingo. 

Os dados que não estão a ser transmitidos ao CDOS são, por exemplo, o número de viaturas que vão para os acidentes, quantos elementos de socorro vão na viatura, que tipo de viatura é, que tipo de acidente é, entre outros, explicou à Lusa o presidente da Federação de Bombeiros do distrito do Porto. Segundo José Miranda, o distrito do Porto tem 47 corporações de bombeiros -- 45 corpos de bombeiros voluntários e duas corporações de bombeiros profissionais - e "neste momento aderiram 33 corpos de bombeiros", mas os utentes não sentem absolutamente nada de diferente, isto é uma garantia". 

"O socorro continua a fazer-se na maior normalidade, tudo da mesma forma, só que não transmitimos os dados (...) para o CDOS, de resto está tudo a processar-se", explicou, referindo que os meios saem da mesma forma também para os pedidos realizados pelo Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) ou individualmente, sendo que a diferença é que os bombeiros não estão a dar as comunicações aos superiores. O presidente da Federação dos Bombeiros do Porto voltou esta segunda-feira a desmentir a informação avançada no domingo pela Comissão Distrital da Proteção Civil do Porto, que indicava que as corporações de bombeiros do distrito estavam a reportar para o CDOS, ignorando o apelo da Liga dos Bombeiros Voluntários (LBP). O presidente da Comissão Distrital da Proteção Civil do Porto e presidente da Câmara de Gondomar, Marco Martins, disse à Lusa, na altura, que até às 16:00 horas de domingo 43 dos 45 corpos de bombeiros do distrito estavam a reportar as ocorrências. 

O presidente atual da Liga dos Bombeiros, Jaime Marta Soares, garantiu no domingo que a ausência de reporte à Proteção Civil não compromete o socorro à população e devolveu a acusação de irresponsabilidade ao ministro da tutela, Eduardo Cabrita. A Liga dos Bombeiros Portugueses reivindica uma direção de bombeiros autónoma independente e com orçamento próprio, que diminua os custos e aumente a eficácia, um comando autónomo e o cartão social do bombeiro. A Liga dos Bombeiros Portugueses tem, no total, 470 associados, distribuídos por corporações de voluntários (435), municipais (19), privativos (9), batalhão de sapadores bombeiros (1), companhias de sapadores bombeiros (5) e regimento de sapadores bombeiros (1) distribuídos por todos os distritos do Continente e Ilhas. 

Correio da manhã

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________