Sem Tropa Não Há Generais - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Sem Tropa Não Há Generais


Sem tropa não há Generais

Pessoal Permanente…….

Desde sempre e nestes últimos tempos tenho assistido a uma discussão cada vez maior em torno do “Pessoal Permanente” dos Corpos de Bombeiros, ou das Associações de Bombeiros, já não sei bem.

Sou de opinião que os direitos desse Pessoal devem ser assegurados e devem se assegurados por iniciativa das Instituições “Bombeiristicas”, desculpem o termo e quando digo isto refiro-me às Federações e à Liga. Pois e as Associações, perguntar-me-ão vocês? As Associações, as que eu conheço, vão fazendo o melhor que podem, dentro dos condicionalismos com que diariamente se debatem e são muitos, o maior de todos está na questão financeira. Acredito que possam existir alguns abusos, mas vão desculpar-me eles acontecem de parte a parte, e se quiserem um dia voltamos a este tema específico, hoje vamos passar à frente.

Sinceramente o problema passa por uma efectiva Lei de Financiamento dos Corpos das Associações de Bombeiros, com uma efectiva fiscalização. Já o disse e reitero que os protocolos existentes quer com o INEM, quer as verbas recebidas do Governo através da ANPC para os serviços efectuados, quer mesmo as verbas do tão falado “Transporte de doentes não urgentes”, este menos, são insuficientes para garantir seja o que for. Pois mas são Associações de cariz voluntário. Sim é verdade, mas não se esqueçam que as pessoas voluntárias, também comem, também têm que por comer na mesa para os seus, por isso não podem estar sempre de “pernas abertas” para garantir serviços que o Estado deve e têm que garantir, já basta todos os serviços voluntariamente efectivamente feito.

Depois tenho ouvido falar nas EIP. É claro que até neste caso é necessário dar mais passos em frente, uma em cada CB não chega, Eu sei o que diz o protocolo, mas é o único possível, há que o rever, porque os voluntários na altura certa lá estão. Relativamente às EIP, também tenho outra opinião, polémica eu sei, mas é a minha. Hoje em dia conseguimos prever “eventos meteorológicos” com alguma antecedência, porque não tornar o horário destas equipas flexível, como aliás acontece com outras forças, ou seja trabalhas num determinado dia e ficas com um banco de horas a folgar em alturas mais calmas? Claro há que criar regras específicas para quando isto poderia ser aplicado. Ai nós vimos sempre e tal….. Eu sei, mas seria muito mais transparente.

Resumindo, tem e deve ser reclamado um estatuto para o “Pessoal Permanente” pode e deve ser revisto o protocolo das EIP, devem ser criadas mais EIP’s nos CB’s, devem e podem ser revistos os protocolos com o INEM e com o Ministério da saúde e por aí fora.

Convém também, em abono da verdade, alertar para que todo e qualquer operacional inserido nesta minha designação de “Pessoal Permanente” é também voluntário, com todas as obrigações que daí resultam.
Esta deveria ser uma entre outras causas a discutir com o Governo, porque sem tropa não há Generais.

Digo eu……

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________