Bombeiros Municipais de Sardoal: 65 Anos de Dedicação à Proteção de Pessoas e Bens - VIDA DE BOMBEIRO

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Bombeiros Municipais de Sardoal: 65 Anos de Dedicação à Proteção de Pessoas e Bens


Os Bombeiros Municipais de Sardoal comemoraram 65 anos de existência e a efeméride foi assinalada este sábado, 20 de outubro.

Numa cerimónia que teve lugar no Centro Cultural Gil Vicente e que contou com a presença de comandantes de praticamente todo o distrito de Santarém, Nuno Morgado, comandante dos Bombeiros de Sardoal, agradeceu aos seus homens e mulheres, falou das dificuldades do ano passado e do que pretende no seu mandato. “É minha preocupação e dos restantes elementos de Comando dignificar o bom nome e história dos Bombeiros Municipais de Sardoal, procurando sempre a melhoria contínua da capacidade e eficiência do Corpo de Bombeiros. (…) O Corpo de Bombeiros devia de continuar a ser reconhecido pelas estruturas nacionais, distritais e municipais como sendo um elo fundamental nas missões de proteção e socorro”.

Para o futuro, Nuno Morgado, falou dos incentivos que já existem mas que ainda muito há para fazer. “Continua em vigor o sistema de incentivos por parte do Município de Sardoal, em vigor desde 2016, um dos primeiros municípios a implementar este sistema, permitindo que os bombeiros possam usufruir de um conjunto de apoios em serviços e infraestruturas municipais”.

No entanto, avançou o comandante, “a nível nacional pouco ou nada foi feito em mais de um ano. Continuamos a aguardar pelo tão afamado Cartão Social do Bombeiro, esperando que o futuro nos traga essas novidades”. Nuno Morgado desafiou ainda o Governo central a “seguir o mesmo caminho que a Câmara Municipal de Sardoal e criar também esses incentivos aos voluntários ao nível dos serviços do Estado, levando a que esses homens e mulheres se sintam dignificados na função que exercem”.

O comandante lembrou que as instalações dos Municipais de Sardoal têm 30 anos e que têm sofrido “pequenas obras de remodelação”. Contudo, “para as exigências atuais, nomeadamente ao nível do apoio prestado à estrutura distrital e nacional da Autoridade Nacional da Proteção Civil, por exemplo, o Centro de Meios Aéreos, estas instalações necessitam de ser remodeladas e ampliadas”.

Também ao nível dos equipamentos “foi feito um investimento nestes dois últimos anos, considerando as necessidades urgentes identificadas pelo Comando, com um custo superior a 14 mil euros”. Ao nível dos veículos, Nuno Morgado apresentou a nova ambulância do INEM, que apenas aguarda a autorização do IMT para estar devidamente legalizada e entrar ao serviço, e também um veículo que foi reparado e está já ao serviço, depois de se ter danificado durante o combate aos incêndios de 2017.

Bombeiros: “Um Exército barato” - Adelino Gomes

Em representação da Liga dos Bombeiros Portugueses, o secretário Adelino Gomes, também comandante dos Bombeiros Voluntários de Constância, destacou o trabalho e a boa imagem deixada pelos bombeiros de Sardoal nos diversos palcos para os quais são chamados e criticou a Administração Central de não apoiar mais as Autarquias que têm Bombeiros Municipais, a quem apelidou de “exército barato”.

Dirigindo-se ao presidente da Câmara Municipal de Sardoal, Adelino Gomes afirmou que “tem um Corpo de Bombeiros que o devem descansar, e descansam de certeza, nas 24 horas do dia”.

“Pena é que, muitas vezes, o apoio que lhe era devido pela responsabilidade que este país tem de manter esta Proteção Civil, de manter este exército barato ao seu serviço, não reconheça as Autarquias que têm apoiado estes homens que têm apoiado o país (…) muitas vezes não olhem para eles, não os reconheçam e muitas vezes, mas muitas mesmo, nós vemos alguns apoios que são dados àqueles que menos fazem para os poder merecer”, criticou Adelino Gomes.

Mário Silvestre, comandante operacional distrital de Santarém (CODIS), também agradeceu o trabalho que tem vindo a ser feito pelos Municipais de Sardoal ao serviço do seu concelho e do país. Em dia de aniversário, “é o dia em que todos vós, todos nós, o dia em que a população de Sardoal, do distrito e do país vos deve homenagear e reconhecer que têm um bem precioso à sua disposição e ao seu serviço”.

O CODIS falou dos números de operacionais envolvidos em operações este ano no país e afirmou que “temos os melhores bombeiros do mundo”. “Honrando o compromisso firmado com Portugal (...), o distrito de Santarém enviou para todos os pontos do país, desde o Algarve até Braga, os grupos de reforço a incêndios florestais, chegando a ter em simultâneo cerca de 120 homens em operações externas ao distrito. Mobilizámos, no total, mais de 20 mil homens e percorreram, durante o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais, aproximadamente meio milhão de quilómetros”.

Sublinhou ainda que o trabalho desenvolvido pelos grupos do distrito de Santarém “foi alvo de rasgados elogios e dos melhores comentários”.

CODIS convidou a sair as “ervas daninhas que proliferam nos bombeiros”

No entanto, foi das palavras do comandante operacional distrital de Santarém que surgiu o discurso mais violento. Mário Silvestre falou para dentro da organização que comanda e convidou mesmo a sair aqueles a quem apelidou de “ervas daninhas”.

“Pessoalmente, e como comandante operacional distrital, devia de estar contente e feliz. Infelizmente, não posso. Não posso porque vejo proliferar nos bombeiros um conjunto de ervas daninhas que apenas contribuem para o descrédito de uma organização secular, que apenas têm contribuído para que se tenha chegado ao estado atual das coisas. Permitam-se por isso, e de forma pública, que convide essas pessoas a saírem. A dedicarem-se a outras coisas, porque o tempo delas ou nunca chegou ou já terminou. Deixem os bombeiros prosperar e crescer, enquanto maior e mais poderosa força de Proteção Civil que os país tem”.

O CODIS falou depois na regulação moribunda e juntou-se em solidariedade com a discriminação que diz existir para com os corpos de bombeiros Municipais do país e dirigiu-se ao presidente da Câmara Municipal em “agradecimento e reconhecimento pelo apoio dado e trabalho desenvolvido na proteção de pessoas e bens do Município de Sardoal”.

Miguel Borges, presidente da Câmara Municipal de Sardoal foi o último a intervir na cerimónia. Depois dos discursos que o antecederam, afirmou que “ficou claro que o problema da nossa estrutura de bombeiros é estritamente político e em nada operacional”.

Miguel Borges: “Tem de haver responsabilização de quem anda distraído”

“Enquanto alguns políticos deste país não tiverem algum juízo, nós vamos ter sempre muitos e grandes problemas, como aqueles que tivemos e que teimamos muitas vezes a dar como desculpa outras situações que não têm absolutamente nada a ver com aquilo que na realidade é”, acusou Miguel Borges.

O autarca referiu que Sardoal é o Município do país com a maior percentagem de verbas do seu orçamento destinadas à Proteção Civil.

“A proteção de pessoas e bens tem um custo... tem um investimento muito elevado e aqui cria-se uma enorme injustiça. É que enquanto no concelho do Sardoal, do seu orçamento municipal, mais de 10% vai para a Proteção Civil, arriscamo-nos a dizer que é o Município deste país com maior percentagem de investimento daquilo que são as verbas de transferência do Estado para a Proteção Civil. E quando assim as coisas são tratadas, não vamos a lado nenhum. Enquanto neste país se gastar mais dinheiro nas Câmaras Municipais em festas e em fogo de artifício do que se gasta na Proteção Civil, casos como aqueles que temos tido ao longo dos anos, vamos continuar a tê-los. Portanto, há aqui uma questão de falta de coragem política”, desabafou o autarca.

Miguel Borges deixou ainda um desabafo acerca da situação precária em que muitas corporações se encontram, dizendo que “das coisas que mais me entristece como presidente de Câmara, é ver corporações de bombeiros a terem que fazer peditórios e vender rifas para comprar aquilo que é fundamental, muitas vezes equipamentos de proteção individual, para a defesa de pessoas e bens neste país”.

Acrescentou ainda que “isto tem que terminar, não pode continuar, não podemos permitir que o dinheiro dos nossos impostos vá para muitos lados menos para aquilo que muitas vezes é fundamental. Tem de haver responsabilização de quem anda distraído e que não investe aquilo que deveria de investir”, concluiu Miguel Borges.

Os condecorados

Na cerimónia em que se comemoraram os 65 anos dos Bombeiros Municipais de Sardoal foram também entregues algumas condecorações.

Receberam a Medalha de Assiduidade a bombeira de 3ª Cátia Velez (Grau Cobre – 5 anos), o bombeiro de 3ª Tiago Leitão (Grau Prata – 10 anos) e o bombeiro de 2ª Nuno Carreira, o bombeiro de 3ª Sérgio de Sousa e a bombeira de 3ª Isabel Pita (Grau Ouro – 20 anos).

A Medalha Dedicação Grau Ouro (+ de 25 anos) foi entregue ao comandante Nuno Morgado, ao 2º comandante Pedro Curado, ao sub-chefe Hugo Cardoso, ao bombeiro de 1ª César Duarte, ao bombeiro de 1ª João Mourato, ao bombeiro de 2ª Martinho Nunes e ao bombeiro de 3ª Miguel Martins.

Fonte: Antena Livre

Sem comentários:

Enviar um comentário