Liga dos Bombeiros revoltada com "tremenda injustiça" da acusação de Pedrógão Grande - VIDA DE BOMBEIRO

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Liga dos Bombeiros revoltada com "tremenda injustiça" da acusação de Pedrógão Grande


Responsáveis da proteção civil local e distrital e ainda dois quadros da EDP são acusados de 63 crimes de homicídio por negligência e 44 crimes de ofensa à integridade física por negligência na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. 

O Ministério Público (MP) do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Leiria deduziu acusação contra doze arguidos no âmbito do inquérito aos incêndios de junho de 2017 em Pedrógão Grande, foi esta quinta-feira anunciado. 

Segundo a acusação a que a agência Lusa teve acesso, o despacho assinado pela magistrada Ana Simões acusa o então Comandante Distrital de Operações de Socorro de Leiria, Sérgio Gomes, o segundo comandante distrital, Mário Cerol, e o comandante dos Bombeiros Voluntários de Pedrógão Grande, Augusto Arnaut, de 63 crimes de homicídio por negligência e 44 crimes de ofensas à integridade física (14 dos quais graves). 

Liga dos Bombeiros revoltada com "tremenda injustiça" da acusação 

O presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) classifica como uma "tremenda injustiça" a acusação de três bombeiros no incêndio de Pedrógão Grande, considerando que "quem devia estar no banco dos réus" era o Estado português. 

"Não pondo em causa o poder judicial, isto é de uma tremenda injustiça. É a acusação a três bombeiros que tudo fizeram para combater aquelas ignições. Isto representa uma ofensa para todos os bombeiros portugueses e em particular para os 280 homens e mulheres que nos últimos 30 anos morreram em serviço", afirmou Jaime Marta Soares em declarações à agência Lusa. 

O Ministério Público (MP) do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Leiria deduziu acusação contra doze arguidos no âmbito do inquérito aos incêndios de junho de 2017 em Pedrógão Grande, que mataram 66 pessoas. 

Jaime Marta Soares afirma que a LBP "está revoltada" e que repudia esta acusação [a três bombeiros], considerando que se enquadra num "'fait-divers' político para não responsabilizar quem é responsável", o Estado português. 

O presidente da Liga considera que durante anos os responsáveis estatais foram ignorando os avisos sobre uma necessária mudança florestal. Trata-se, no entender da LBP, de um "desrespeito para com todos os bombeiros", que "todos os dias põem em risco a própria vida a troco de nada". 

"A presunção de inocência está sempre em cima da mesa e estes bombeiros vão ser ilibados certamente de todas e quaisquer responsabilidades", disse Jaime Marta Soares. 

Numa nota publicada na página eletrónica do Ministério Público, comarca de Leiria, lê-se que "os arguidos foram acusados dos crimes de homicídio por negligência e de ofensa à integridade física por negligência, sendo alguns destes de ofensa à integridade física grave". 

Fonte: Correio da manhã

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________