"Bombeiro é o Único Agente da Protecção Civil que Vive na Pobreza” - VIDA DE BOMBEIRO

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

segunda-feira, 3 de setembro de 2018

"Bombeiro é o Único Agente da Protecção Civil que Vive na Pobreza”


O presidente da Associação de Bombeiros Voluntários defende que a Liga de Bombeiros Portugueses deveria entrar em "negociações sérias e fundamentadas" com a Associação Nacional de Protecção Civil, de modo a resolver problemas de financiamento que originam as más refeições dos bombeiros. "A logística da alimentação sempre foi um calcanhar de Aquiles para a Protecção Civil", afirma Rui Silva à SÁBADO. 

Além disso, há casos de bombeiros que não recebem o pagamento devido (€1,87/hora). "O bombeiro é o único agente da Protecção Civil que vive em mendicidade", critica. 

"Há um desvirtuar da verba para a alimentação, é investida noutras carências dos bombeiros. Quem deveria assumir as refeições são as câmaras municipais", propõe, num funcionamento semelhante aos das cantinas escolares. Silva conta que o desvio das verbas para refeições leva a que estas "não tenham o nível calórico desejado".

"Se a população fizer comida aos bombeiros, são €21 mil que entram. Mas atenção, não acuso nenhuma entidade de pôr dinheiro ao bolso", clarifica.

Bombeiros voluntários disponíveis para limpeza de terrenos
Rui Silva salienta que Miguel Freitas, o secretário de Estado das Florestas, "merece toda a confiança". "Enquanto deputado e responsável pela Comissão de Inquérito aos incêndios de 2013 foi uma pessoa que se empenhou na resolução dos problemas", afirma. 

Em entrevista ao Público, Freitas propõe que os bombeiros ajudem na limpeza dos terrenos. O presidente da Associação de Bombeiros Voluntários ainda não conhece a proposta e pede que sejam explicadas a formação, equipamento e financiamento. "Se nos garantirem estas três coisas, é bom." 

"Somos um parceiro importante na gestão dos combustíveis. Podemos ajudar nas queimas controladas: os proprietários confiam nos bombeiros. Mas não substituindo o trabalho dos sapadores. À primeira vista, é uma boa proposta", define. 

Pode ainda ser uma forma de conseguir verbas. "Aumentará o emprego e fixará bombeiros no interior", diz. 

Fonte: Sábado.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário