Protecção Civil diz que regras de comando não cumpridas são flexíveis, mas não é isso que diz a lei - VIDA DE BOMBEIRO

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Protecção Civil diz que regras de comando não cumpridas são flexíveis, mas não é isso que diz a lei


A segunda comandante nacional, Patrícia Gaspar, comentou esta manhã a notícia do PÚBLICO que dava conta que as regras de comando da Protecção Civil, o Sistema de Gestão de Operações (SGO), definidas após Pedrógão Grande, não foram cumpridas em Monchique. Para a Protecção Civil, o SGO permite "flexibilidade" na avaliação feita pelo comando nacional e os números inscritos na lei, que obrigam à passagem para o comando nacional de uma ocorrência com determinada dimensão, são, afinal, valores de "referência". Contudo, em lado algum na legislação é dito que a regra é "flexível" ou que os números são apenas de "referência".

Poucos estudos sobre uso de água salgada nos incêndios deixam dúvidas
No Sistema Geral de Operações, definido em despacho pelo presidente da ANPC em Abril, está definido que "quando o número de operacionais mobilizados ultrapassa os 648 e na presença ou iminência do aumento da complexidade da operação, obrigando ao reforço da capacidade de comando e controlo e dos mecanismos de coordenação institucional (…) o comando da operação passa a ser desempenhado por Comandante de Agrupamento Distrital ou Comando Nacional da ANPC". Este número foi ultrapassado no sábado de madrugada – dia em que o incêndio mostrava também uma grande complexidade, cumprindo assim os critérios ali definidos – e o comando nacional apenas avocou a responsabilidade passados dias, na terça-feira. 

Confrontada com o atraso na passagem do comando do incêndio de Monchique para a estrutura central da Protecção Civil, Patrícia Gaspar defendeu que estes valores são de "referência", defendendo que a decisão final depende de Duarte da Costa, comandante nacional. "Independentemente do número fixo para a passagem para outro nível, que funciona como referência, no limite, a avaliação final é sempre feita pelo comandante nacional. A opção tomada teve não só a ver com o número de operacionais, mas a dimensão da operação no terreno". Em seguida, acrescentou que "avaliadas todas as circunstâncias foi decidido subir o nível de comando", não referindo que essa decisão foi tomada apenas na terça-feira e não no sábado, quando o fogo cumpria todos os critérios inscritos no SGO.

Na explicação dada, Patrícia Gaspar nunca se referiu ao dia de sábado e ao porquê de a avaliação ter sido a de não subir o nível hierárquico no comando, dizendo apenas que a decisão "é tomada" tendo como base "critérios operacionais".

Nas respostas aos jornalistas, a segundo comandante nacional que está neste momento como comandante das operações em Monchique, referiu ainda que o SGO permite uma grande "flexibilidade" e que, se o entender, por exemplo, o comandante nacional "pode avocar" uma ocorrência quando esta se encontra "no nível I".Ora neste caso, o que se passou foi que estando o incêndio, pelas regras, num nível mais avançado (fase V), exigindo que a coordenação fosse feita por um comandante de agrupamento ou pelo comando nacional, esta foi deixada para comandantes com níveis abaixo, não tendo explicado Patrícia Gaspar o porquê de a ANPC ter decidido ignorar estas regras.

"Não é uma questão numérica e quantitativa, depende de um conjunto de factores", voltou a referir sem identificar quais os factores que foram avaliados nestes dias para que a direcção operacional da ANPC tivesse deixado o incêndio em níveis abaixo de hierarquia. 

O PÚBLICO fez na quarta-feira perguntas à ANPC sobre esta violação do SGO desde sábado e na resposta enviada não foi referida nem a questão da flexibilidade das regras nem a ideia de que os números fixados são de "referência". Ao PÚBLICO, a ANPC dizia que a mudança do comando, do nível distrital para o nacional, se processa “de acordo com as premissas enunciadas no sistema de gestão de operações e em função da apreciação da evolução da operação que é feita a todo o momento”. Sem nunca se referir à regra que obriga a accionar a Fase V quando o número de operacionais mobilizados ultrapassa os 648, a autoridade garante que a “doutrina do sistema de gestão de operações vem sendo considerada ao longo da resposta ao incêndio rural de Monchique”.

O SGO foi definido em Abril para responder à decisão do Conselho de Ministros de 21 de Outubro de reforçar os mecanismos de controlo nos incêndios, consoante a sua complexidade. Depois do grande incêndio de Pedrógão Grande, o Governo decidiu mudar as regras da Protecção Civil, uma vez que a comissão técnica independente apontava o dedo às falhas no comando das operações, onde houve uma desgraduação hierárquica de quem estava à frente das operações. Foi essa nova regra que foi agora violada no primeiro mega-incêndio do ano.

Fonte: Publico

Sem comentários:

Enviar um comentário