INEM Leva 106,7 Milhões de Euros dos Seguros - VIDA DE BOMBEIRO

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

INEM Leva 106,7 Milhões de Euros dos Seguros


Em 2017 o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) teve mais de 106,7 milhões de euros em proveitos oriundos da taxa de 2,5% paga pelos portugueses nos prémios dos seguros de vida, de saúde, de acidentes pessoais e automóvel. Esta taxa, que até 2015 era apenas de dois por cento, representou a quase a totalidade do orçamento do INEM, cujo valor estimado para o ano passado foi de 109 milhões de euros. 

De acordo com o Relatório de Atividades e Contas do instituto para 2017, no ano passado a taxa rendeu mais 7,4 milhões de euros do que em 2016, ano em que se ficou pelos 99,3 milhões de euros. Ou seja, houve um aumento de 7,4% do lucro obtido pela taxa cobrada nos prémios dos seguros e encaixado pelo INEM. Em 2015, os portugueses deram a ganhar ao INEM 90,5 milhões de euros. 

Segundo o mesmo documento, o resultado líquido do instituto fixou-se em 7,6 milhões de euros. Além disso, destaca-se ainda o facto de o INEM ter registado um aumento dos custos de atividade em 10 por cento relativamente a 2016. 

É sublinhado que, neste aumento de custos, teve impacto significativo a renovação dos meios de emergência médica alocados aos parceiros do Sistema Integrado de Emergência Médica (SIEM). "De acordo com este novo modelo de renovação de meios, os parceiros do SIEM passam a efetuar diretamente a aquisição das viaturas, incumbindo ao INEM subsidiar a compra e coordenar toda a atividade de gestão e operação". 

Incêndios e Fátima aumentam custos 
O relatório e contas do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) de 2017 revela que a despesa com pessoal contribuiu de forma significativa para o aumento dos gastos. Esse valor ultrapassou os 37 milhões de euros. 

De acordo com o mesmo documento, nessa despesa com pessoal estão contabilizados os aumentos dos custos com as horas extraordinárias, decorrentes da redução do horário de trabalho de 40 para 35 horas semanais. A contribuir também para este crescimento da despesa surge a participação nas comemorações das Aparições em Fátima e a visita papal e o aumento em 20% para o trabalho suplementar prestado pelos trabalhadores do INEM , entre 1 de julho e 30 de setembro de 2017, durante a vigência da fase Charlie do dispositivo especial de combate a incêndios florestais.

Correio da manhã

Sem comentários:

Enviar um comentário