Idoso Salvo no Limite por Recusar Sair de Casa em Monchique - VIDA DE BOMBEIRO

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

terça-feira, 7 de agosto de 2018

Idoso Salvo no Limite por Recusar Sair de Casa em Monchique


Com o aproximar das chamas, as duas filhas fugiram de casa, na Portela das Eiras, Monchique, obedecendo às ordens das autoridades. Mas o pai, idoso, recusou sair da habitação e deixar os seus animais para trás. Acabou por ficar incontactável e rodeado pelas chamas. Com as filhas em pânico, a assistirem a tudo, o homem acabou por ser resgatado por bombeiros e militares do GIPS da GNR. Os operacionais salvaram-lhe ainda a casa. 

Este foi um dos dramas vividos esta segunda-feira  no combate ao incêndio que, desde as 13h32 de sexta-feira, lavra com grande violência pela serra algarvia. Ao final do dia calculava-se entre 15 a 20 mil hectares de área já consumida pelas chamas – que continuavam sem dar tréguas.

"O quadro geral da operação mantém-se bastante complexo", conforme admitia o comandante Abel Gomes no ponto de situação ao início da noite. A zona da Foia, que foi evacuada a meio da tarde, Cascalheira e Odelouca, já no concelho de Silves, eram as zonas que geravam maior preocupação. Além de um número ainda por determinar de casas atingidas pelo fogo, as autoridades contabilizavam um total de 29 feridos, um dos quais grave - uma mulher, de 76 anos, internada no Hospital de S. José, em Lisboa. 

A estes juntam-se 66 assistências por inalação de fumo ou exaustão, muitas delas a operacionais que têm combatido as chamas. Depois de, à hora de almoço, as autoridades terem avançado que 95 por cento da frente de fogo estava controlada, a situação mudou por completo durante a tarde. Projeções e reacendimentos, ajudados pelo vento e calor, e a falta de apoio de meios aéreos voltaram a deixar o combate fora de controlo. E repetiu-se o cenário dos últimos dias. Estradas cortadas, casas evacuadas e os operacionais a desdobrarem-se na resposta aos focos de chamas que iam surgindo e, em especial, à proteção de pessoas e casas. 

O incêndio ameaçou duas unidades hoteleiras na encosta sul da serra de Monchique, que foram igualmente evacuadas. As pessoas retiradas das casas já chegam às largas centenas. Abel Gomes previa que a noite ia ser "dura e de muito trabalho".

Correio da Manhã

Sem comentários:

Enviar um comentário