Esclarecimento do INEM a Propósito da Assistência Prestada a Criança em Lisboa - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

domingo, 26 de agosto de 2018

Esclarecimento do INEM a Propósito da Assistência Prestada a Criança em Lisboa


Como fazemos para todas as situações que chegam ao conhecimento do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), procedeu-se à pesquisa da informação sobre a atuação do INEM nesta ocorrência em concreto, acedendo a todos os registos informáticos disponíveis e à audição da gravação das chamadas telefónicas. Assim, informamos:

O Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do INEM recebeu uma chamada às 21h39 do passado dia 20 de agosto, solicitando ajuda para uma criança que teria sofrido um acidente. O CODU iniciou no imediato o processo de localização da ocorrência perante um contactante que se encontrava muito ansioso (o que é perfeitamente compreensível) e que referiu precisar de uma Ambulância para o jardim do Campo Grande.

No sentido de melhor localizar a ocorrência, o profissional do CODU questionou sobre a possibilidade de ser fornecida uma morada mais precisa, tendo o contactante respondido que não sabia, apenas sabia informar “jardim do Campo Grande, do outro lado”. O profissional do CODU solicita que pudesse aguardar para poder pesquisar a morada no sistema, tendo o contactante referido que toda a gente em Lisboa conhece o jardim do Campo Grande. O Técnico do INEM explica que não se encontra em Lisboa, que se encontra a atender a chamada a partir do CODU do Porto e solicita que o contactante tenha calma para que possa ser melhor ajudado. Enquanto o Técnico do INEM realiza a pesquisa da morada para apurar em pormenor a localização, é referido “Alameda da Universidade” e é desta forma que o CODU consegue localizar com maior precisão a ocorrência.

É no imediato iniciada a triagem clínica para uma criança do sexo feminino que sofreu um acidente com bicicleta. O profissional do CODU realiza o fluxo de trauma, efetua o aconselhamento prévio, e solicita que as pessoas se possam afastar, aconselhando que não se mexa na criança. Solicita ainda que o contactante mantenha o telefone disponível para que possam tornar a ligar caso exista essa necessidade, o que efetivamente se verificou às 21h42 para apurar o local exato na Alameda da Universidade.

É acionada às 21h46 uma Ambulância do INEM.

Às 21h54 o CODU recebe uma nova chamada que refere que a Ambulância ainda não chegou ao local. O profissional do CODU refere que a Ambulância foi acionada e deverá estar a chegar, o que aconteceu passados cinco minutos, ou seja, às 21h59m.

Constata-se assim que desde que a chamada entrou no CODU até ao envio da ambulância, decorreram sete minutos. Durante este tempo, o CODU tentou com o maior detalhe possível localizar a ocorrência, realizou o aconselhamento adequado à condição clínica da criança, e enviou para o local um meio de emergência. De referir ainda que a Ambulância foi acionada breves minutos após identificação mais precisa da morada, e que este acionamento é sempre feito em função de prioridades. Ou seja, os meios de emergência vão sendo acionados em função da gravidade da situação clínica das vítimas que a cada momento precisam de assistência médica. Ressalva-se que, se a situação clínica da criança em questão a isso obrigasse, ter-se-ia procedido ao envio de um meio mais diferenciado ao local (Viatura Médica de Emergência e Reanimação ou Ambulância de Suporte Imediato de Vida), mas tal não se revelou felizmente necessário, dado que os sinais e sintomas indicavam não se tratar de uma situação grave (risco de vida).

Constata-se também que a Ambulância do INEM demorou 13 minutos a chegar ao local, tempo este que apesar de não ser o ideal para emergências médicas ocorridas na cidade de Lisboa, não podemos concordar que possa ser considerado “vergonhoso” ou excessivo. A base da Ambulância onde o meio se encontrava quando foi acionado, dista sete minutos do local da ocorrência. E efetivamente, a indicação de “Alameda da Universidade” foi insuficiente para uma correta localização da ocorrência, tendo a ambulância de perder vários minutos a percorrer artérias junto à Alameda da Universidade para conseguir encontrar a vítima.

O INEM é o organismo do Ministério da Saúde responsável por coordenar o funcionamento, no território de Portugal Continental, de um Sistema Integrado de Emergência Médica (SIEM), de forma a garantir aos sinistrados ou vítimas de doença súbita a pronta e correta prestação de cuidados de saúde. A prestação de cuidados de emergência médica no local da ocorrência, o transporte assistido das vítimas para o hospital adequado e a articulação entre os vários intervenientes do Sistema, são as principais tarefas do INEM. Através do Número Europeu de Emergência - 112, o INEM dispõe de múltiplos meios para responder com eficácia a situações de emergência médica.
Para aceder ao SIEM, é necessário recorrer ao Número Europeu de Emergência – 112. Este número é gerido e operacionalizado pelas forças de segurança, dado que é um número comum a diversas situações de emergência como assaltos, incêndios ou emergências de saúde. Somente as chamadas relacionadas com emergências médicas são encaminhadas para os CODU do INEM.

Nestas Centrais Médicas do INEM é feita uma triagem clínica da situação de acordo com algoritmos de triagem, para aferir a gravidade da emergência médica e assim ser possível definir os meios de emergência a enviar bem como a sua tipologia (Ambulâncias de Socorro, Motociclos de Emergência, Ambulâncias de Suporte Imediato de Vida, Viaturas Médicas ou Helicópteros). A correta identificação da morada é parte integrante da triagem e absolutamente fundamental para que as equipas de emergência possam chegar o mais rapidamente possível junto das vítimas, devendo para isso o contactante informar sobre a localização correta do local, sempre que possível com identificação da freguesia e informação sobre pontos de referência.

Só a título de exemplo, na cidade de Lisboa existem várias ruas com exatamente o mesmo nome, ruas que começam com um nome e acabam com outro, e até quatro freguesias ao longo da mesma avenida ou rua. Existem também edifícios que têm entradas em duas ou mais ruas diferentes. A exata localização por parte do INEM permite que em poucos segundos ao telefone se ganhem preciosos minutos no trânsito, por vezes intenso, da grande cidade. 
Na situação em apreço, mesmo sendo conhecido o Jardim do Campo Grande, sabemos também que o mesmo tem uma extensão muito considerável (mais concretamente 1,5 kms), com vários locais interiores sem acesso a ambulância. Essa informação, por si só, não é por isso suficiente para localizar quem necessita de ajuda. O apuramento correto da morada ajuda o INEM a tornar rigorosa a localização do doente, permitindo estabelecer a via de melhor acesso e ir concretamente ter com o doente, evitando enganos e perdas de tempo desnecessárias.

O funcionamento do CODU do INEM pressupõe ainda que qualquer chamada que o Número Europeu de Emergência - 112 encaminhe para o INEM seja atendida pelo profissional do INEM há mais tempo disponível, independentemente do local geográfico onde se encontre. Existem quatro CODU do INEM em funcionamento, no Porto, Coimbra, Lisboa e Faro, podendo as chamadas ser atendidas em qualquer um destas quatro centrais médicas. Assim, os CODU do INEM funcionam numa ótica nacional, isto é, uma chamada que seja transferida pelo 112 é atendida pelo Técnico do INEM que estiver disponível há mais tempo, independentemente do CODU em que se encontre, garantido uma maior celeridade no atendimento de chamadas de emergência. Diariamente são atendidas nos CODU do INEM, em média, 3 500 chamadas de emergência que culminam no envio de 3.456 meios de emergência, dos vários tipos de meios que se encontram ao serviço dos cidadãos.

Importará ainda clarificar que o SIEM não é apenas composto pelas Ambulâncias de Emergência Médica do INEM, mas também pelos demais meios de emergência deste Instituto (Viaturas médicas, Helicópteros, Ambulâncias de Suporte Imediato de Vida, Motociclos) e pelas mais de 500 Ambulâncias dos seus parceiros Bombeiros e CVP, que acionados pelo CODU têm igualmente como missão a prestação de cuidados de emergência médica à população. Encontram-se atualmente ao serviço do cidadão, um total de 654 meios de emergência, número expressivo que tem dado uma resposta competente e de qualidade às necessidades assistenciais dos cidadãos.

Os profissionais do INEM ao serviço da Ambulância de Lisboa acionada para esta ocorrência, referem ter encontrado um clima de hostilidade no local por parte de alguns populares, reforçando no entanto que após prestarem os cuidados necessários à criança - mas também ao ciclista que se encontrava visivelmente nervoso com a situação e a precisar de assistência médica - falaram com os pais da criança e explicaram o circuito da chamada 112, lamentando ainda qualquer demora verificada no trajeto para o local. Os pais da criança foram sempre muito recetivos às explicações dos profissionais do INEM, compreenderam as informações prestadas e colaboraram exemplarmente com o INEM até chegada da criança à Unidade Hospitalar.

Gostaríamos ainda de abrir um parenteses para referir que não é aceitável que profissionais que diariamente vestem a camisola para salvar vidas, e que todos os dias e a cada serviço dignificam o serviço de emergência médica do nosso país - sejam eles do INEM, Bombeiros, CVP, ou quaisquer outros - possam ser tratados de forma menos cordial, e até hostil, por populares. Compreendemos o sentimento de ansiedade, nervosismo, e muitas vezes até desespero, de quem procura ajuda em situações tão delicadas e sensíveis.
Mas também deve ser recordado que estes profissionais trabalham todos os dias para mitigar a dor e o sofrimento de quem é acometido de acidente ou doença súbita. Dão sempre, seguramente, o seu melhor em situações limite e nas quais é sempre muito difícil fazer a gestão das emoções.

O INEM reforça, assim, que a colaboração dos cidadãos é absolutamente fundamental para um correto envio de meios de emergência e consequente prestação de cuidados de emergência pré-hospitalar, nomeadamente respondendo às questões que são colocadas e colaborando na localização o mais correta possível da ocorrência, sempre que possível com indicação de pontos de referência.

Gostaríamos de aproveitar a oportunidade para convidar, quem tiver interesse, para acompanhar o funcionamento de um dos CODU do INEM e o trabalho aí desenvolvido. Julgamos que seria uma ótima oportunidade para conhecerem o trabalho desenvolvido por estes profissionais do INEM e para se compreender a importância da triagem médica que é efetuada e da absoluta necessidade de recebermos colaboração por parte dos cidadãos que ligam 112 em caso de emergência médica. Essa colaboração, e as respostas que são dadas às questões colocadas, são determinantes para o sucesso da missão do INEM. Constituem o primeiro elo, essencial, de uma importante cadeia de socorro.

Resta-nos esperar que as explicações agora prestadas possam ser tidas em conta antes de quaisquer julgamentos e considerações desproporcionais e excessivas, motivadas pela compreensível emoção envolvida dos intervenientes, a respeito de um serviço de emergência médica que salva vidas todos os dias. Não podemos deixar de fazer votos que a criança e o ciclista se encontrem completamente restabelecidos e reiteramos a motivação e o compromisso do INEM e dos seus profissionais para prestar cuidados de emergência médica pré-hospitalares a todos os cidadãos que deles vierem a necessitar.

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________